Netanyahu: Hezbollah mantém ‘depósito secreto de armas’ em Beirute, alerta sobre outra explosão

Compartilhe

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse em um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas na terça-feira que o Hezbollah está abrigando armas perto do Aeroporto Internacional de Beirute, alertando que poderia causar outra explosão catastrófica na capital libanesa.

Netanyahu acusou o Hezbollah de “manter um depósito secreto de armas” no bairro de Beirute, em Janah. Durante sua apresentação, ele apontou mapas que supostamente mostram a localização do depósito de mísseis a “cinquenta metros” de um posto de gasolina e residências. Netanyahu também mostrou uma foto do que ele afirma ser a entrada da fábrica de mísseis do Hezbollah.

“É aqui que ocorrerá a próxima explosão – bem aqui”, disse ele.
Netanyahu pediu aos moradores do bairro que protestassem contra o Hezbollah, que é apoiado pelo Irã.

“Israel não quer prejudicá-lo. Mas o Irã faz. O Irã e o Hezbollah colocaram você e suas famílias em grave perigo deliberadamente. E o que você deve deixar claro é que o que eles fizeram é inaceitável. Você deve dizer a eles: ‘demolam esses depósitos.’ ‘”

Após o discurso de Netanyahu, as Forças de Defesa de Israel divulgaram mapas detalhados do local e de dois outros depósitos de mísseis alegados, que dizem estar em bairros residenciais. Os militares descreveram os três como locais de fabricação de mísseis guiados com precisão, mas não deram nenhuma outra evidência e não disseram quão avançado é o programa de fabricação.

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, negou as afirmações de Netanyahu e o acusou de “mentir” sobre o suposto depósito de armas secretas.

“Não colocamos mísseis nem no porto de Beirute ou perto de um posto de gasolina e sabemos bem onde colocaremos nossos mísseis”, disse Nasrallah.

O Hezbollah convidou os meios de comunicação a pesquisar imediatamente o local, onde encontraram maquinário pesado em uma pequena fábrica e nenhuma evidência de armas.

“Esta instalação é uma instalação industrial normal nesta área, presente aqui há talvez dezenas de anos”, disse o porta-voz do Hezbollah, Mohammed Afif.

No mês passado, um depósito cheio de 3.000 toneladas de nitrato de amônio explodiu no porto de Beirute, matando quase 200 pessoas, ferindo milhares e deixando centenas de milhares desabrigados.

O produto químico ficou armazenado no depósito por anos. Ninguém assumiu a responsabilidade pela explosão, que teria sido provocada por um incêndio acidental.

No entanto, alguns colocaram a culpa no Hezbollah. Israel há muito afirma que o grupo terrorista mantém material perigoso em áreas residenciais de Beirute e do sul do Líbano. Ambas as áreas são redutos de apoio ao grupo terrorista apoiado pelo Irã.

O presidente francês Emmanuel Macron repreendeu no domingo o Hezbollah e os líderes libaneses por não estarem dispostos a deixar de lado interesses pessoais e religiosos para permitir a ajuda internacional no Líbano. O Líbano está mergulhado em uma crise econômica agravada pela explosão do mês passado. Macron alertou sobre uma nova guerra civil no Líbano se os líderes não aprovarem reformas urgentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *