Trump sinaliza que pode não aceitar mudanças nas regras do debate após confronto caótico

Compartilhe

O presidente dos EUA, Donald Trump, sinalizou na quinta-feira que pode não aceitar mudanças nas regras para os próximos debates presidenciais que, segundo os organizadores, serão necessários para controlar o comportamento indisciplinado.

Após um debate caótico na terça-feira que viu Trump regularmente interromper e falar sobre seu adversário democrata Joe Biden, bem como o moderador, a comissão de debates presidenciais da América disse que adotaria mudanças para permitir uma “discussão mais ordenada” com o próximo debate agendado para outubro 15 em Miami.

Houve especulação imediata de que isso poderia incluir um botão mudo para limitar as interrupções que atormentaram o encontro inicial entre Trump e Biden, o primeiro dos três antes da eleição de novembro.

Mas Trump perguntou em um tweet na quinta-feira: “Por que eu permitiria que a Comissão de Debates alterasse as regras para o segundo e o terceiro Debates quando ganhei facilmente da última vez?”

Ele não indicou se uma mudança nas regras afetaria sua participação ou não. Ambas as campanhas concordaram com as regras do debate de terça-feira à noite, que previa seis seções de 15 minutos em que cada candidato tinha dois minutos para responder a uma pergunta antes de começar a ir e vir.

O confronto de 90 minutos na terça-feira gerou críticas generalizadas a Trump e, em menor medida, a Biden. O presidente republicano intimidou Biden repetidamente e questionou sua inteligência, enquanto o candidato democrata chamava Trump de racista, mentiroso e o pior presidente de todos os tempos.

Os dois candidatos se enfrentarão nas urnas em 3 de novembro. Enquanto Biden lidera Trump na maioria das pesquisas de opinião pública nacionais, as pesquisas também mostram que os dois estão ombro a ombro em vários estados que podem determinar o vencedor do concurso.

Mais de 2 milhões de eleitores já votaram, com uma onda de votos antecipados e por correspondência esperada este ano devido à pandemia do coronavírus.

Com informações Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *