Supostos comentários de Marinho sobre Guedes fazem juros dispararem

Compartilhe

Os rendimentos dos juros futuros operam sob pressão nesta sexta-feira, influenciados por supostos comentários feitos pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogerio Marinho (PSDB-RN), em um evento fechado para investidores. Por volta das 14h20, o rendimento do contrato do Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 passava de 3,12% no ajuste anterior para 3,35%, enquanto o DI janeiro/2023 subia de 4,61% para 4,82% e o DI janeiro/2025 avançava de 6,53% para 6,70%.

Marinho teria reforçado, segundo relato de uma fonte cujo fundo esteve presente no encontro, que existe um impasse em torno do financiamento do Renda Cidadã, mas que ele sairia “da melhor ou da pior forma”.

Chamou atenção, também, as críticas contra seu colega de esplanada, o ministro da Economia, Paulo Guedes. Marinho, entre outras coisas, teria dito que foi o próprio Guedes que teve a ideia de usar recursos de precatórios para financiar o Renda Cidadã e que, agora, não tem uma proposta.

“A questão do impasse é algo que já sabíamos, mas a parte negativa foram a críticas contra Guedes. Mostra esse atrito dentro do próprio governo”, afirma essa fonte.

O encontro com participantes do mercado não consta na agenda do ministro Rogério Marinho, mas trechos da conversa foram compartilhados entre os agentes financeiros, o que também gerou desconforto de alguns profissionais. “Não dá para ter ministro tentando sabotar o Paulo Guedes em call fora da agenda com o mercado”, alerta outro gestor.

No mercado de juros, esses comentários levaram investidores a elevarem as chances de o ciclo de altas da Selic ser adiantado, justamente por conta dos riscos fiscais maiores. Com isso, a pressão mais intensa ocorreu justamente nos vencimentos da chamada barriga da curva. “O mercado antecipa o risco de alta, não necessariamente na próxima reunião, mas em 2021. Naturalmente, os demais vencimentos sobem porque o prêmio é carregado ao longo da curva”, diz um economista-chefe que prefere manter o anonimato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *