Erdogan em discurso ao povo palestino ‘Jerusalém é a nossa cidade’

Compartilhe

Presidente da turquia Recep Tayyip Erdoğan, abriu a sessão legislativa do parlamento turco na quinta-feira com um longo discurso que se dirigiu à cidade de Jerusalém e ao povo palestino, no qual afirmou: “Jerusalém é nossa cidade”.Erdoğan referiu-se ao domínio do Império Otomano sobre Jerusalém, que durou quatro séculos (1517-1917), para justificar sua reivindicação.

“Nesta cidade, que tivemos que sair aos prantos durante a Primeira Guerra Mundial, ainda é possível encontrar vestígios da resistência otomana. Jerusalém é a nossa cidade, uma cidade nossa ”, disse Erdoğan.

Erdoğan mencionou que as paredes de Jerusalém que ainda existem hoje, bem como a Cúpula da Rocha na Cidade Velha de Jerusalém, foram reconstruídas e restauradas por Solimão, o Magnífico, que reinou sobre o Império Otomano de 1520 até sua morte em 1566. “A questão de Jerusalém não é um problema geopolítico comum para nós”, disse Erdoğan. “Em primeiro lugar, a aparência atual da Cidade Velha, que é o coração de Jerusalém, foi construída por Solimão, o Magnífico, com suas paredes, bazar , e muitos edifícios. Nossos ancestrais mostraram seu respeito por séculos, mantendo esta cidade em alta estima. ”Solimão, o Magnífico, era conhecido por proteger os súditos judeus de seu império por meio de reformas sem precedentes na época, e acredita-se que teve uma mãe judia. 

Erdoğan então tratou da questão palestina, declarando que “consideramos uma honra, em nome de nosso país e nação, expressar os direitos do povo palestino oprimido em todas as plataformas, com quem convivemos há séculos”.“Com este entendimento, seguiremos tanto a causa palestina, que é a ferida sangrenta da consciência global, quanto o caso de Jerusalém até o fim”, concluiu.O Dr. Hay Eytan Cohen Yanarocak, especialista em política contemporânea turca, política externa e relações turco-israelenses do Instituto de Estratégia e Segurança de Jerusalém, disse a Israel Hayom que o discurso de Erdoğan tinha uma agenda política interna, mais do que prática.
 “No sentido amplo de seu discurso, Erdoğan se referiu a três países principais – Grécia, Armênia e Israel – e não por acidente”, observou Yanarocak. “O denominador comum desses países é o fato de serem Estados-nação compostos pelas principais minorias que existiram no Império Otomano e na atual República da Turquia.

“Quando Erdoğan ataca, seja contra a Armênia, por meio de assistência militar ao Azerbaijão, contra a Grécia ou por ataques verbais a Israel, sabemos que ele está traduzindo todos esses passos para o sucesso eleitoral”, disse Yanarocak. “Não se trata apenas de apoiar os palestinos, mas de definir a maneira como a maioria turca percebe as minorias dentro do país e como essa perspectiva se reflete na política externa de Erdoğan.”  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *