Guedes: é irresponsável furar teto para fazer política ou ganhar eleição

Compartilhe

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que é uma irresponsabilidade com as futuras gerações furar o teto de gastos (regra que limita despesas do governo) para fazer política e tentar ganhar a eleição. “É mergulhar o Brasil no passado triste de inflação alta”, declarou.

Uma coisa é você furar o teto porque você está salvando vidas em ano de pandemia, e isso ninguém pode ter dúvidas. Se a pandemia recrudescer e voltar em uma 2ª onda, aí sim nós decisivamente vamos fazer algo a respeito. E aí sim, é o caso de você furar o teto”, afirmou Guedes nesta 6ª feira (2.out.2020) na portaria do Ministério da Economia, em Brasília.

O ministro disse que as eleições atrapalham os debates sobre a criação do Renda Cidadã e a realização de reformas econômicas. O pleito municipal será realizado em novembro. Diversos congressistas estão engajados em campanhas nos seus redutos locais, o que impede o debate, na análise de Guedes.

“Se você falar hoje que vai aterrissar em R$ 300 vão falar: não tem dinheiro para pagar, que absurdo. Se falar que é R$ 200, vão dizer: e os miseráveis? Na boca de uma eleição? Será que é essa a hora para falar disso?”, afirmou.

Segundo o ministro, o projeto que visa substituir o auxílio emergencial e o Bolsa Família em 2021 deverá ser resultado do acoplamento de 27 programas sociais. Não deu detalhes de quais seriam. “Quem faz isso é a classe política. Quem dá o ‘time’ das reformas”, disse.

O discurso de Guedes foi realizado depois de 1 dia tumultuado no mercado financeiro. O atrito de Guedes com Marinho (Desenvolvimento Regional), a expectativa das eleições nos EUA e o diagnóstico positivo de Trump para covid-19 levaram o Ibovespa a ter o pior desempenho semanal desde maio.

Marinho teria criticado Guedes na tarde desta 6ª feira, em fala privada a investidores. Em nota oficial, o Ministério do Desenvolvimento Regional negou.

Indagado sobre as supostas declarações, Guedes disparou farpas ao colega de Esplanada: “Eu não acredito que o ministro Rogério Marinho tenha falado mal de mim. Se ele está falando mal, tem 3 coisas: é despreparado, desleal e fura teto”.

Os 2 já travavam uma disputa dentro do governo. Marinho defende 1 mix entre o setor público e o privado para a retomada econômica no pós-pandemia. Guedes quer a menor participação possível do Estado na economia. Nesta 6ª feira (2.set) Guedes o acusou de ministro “fura-teto“. Contudo, afirmou que “não houve uma briga”. “É 1 acerto”, declarou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *