Líbano e Israel iniciam negociações sobre disputa de fronteira marítima

Compartilhe

Sessão curta realizada na quarta-feira, com a mídia estatal relatando o segundo turno a ocorrer no dia 28 de outubro.

O Líbano e Israel mantiveram uma curta rodada de abertura de conversas indiretas sobre sua disputada fronteira marítima na quarta-feira, terminando depois de uma hora com a mídia estatal libanesa relatando um segundo turno a ser realizado em 28 de outubro.

A sessão de quarta-feira foi mediada por autoridades americanas e ambos os lados insistiram que a série de conversas são puramente técnicas e não são um sinal de normalização dos laços.

A rodada de abertura de discussões foi realizada na sede da força de paz da ONU UNIFIL na cidade fronteiriça libanesa de Naqoura.

O chefe da delegação do Líbano disse que espera que as negociações resolvam a disputa de fronteira marítima dentro de um “tempo razoável”.

As negociações marcam um “primeiro passo na marcha de mil milhas para a demarcação” da fronteira marítima, disse o Brigadeiro Bassam Yassin em um comunicado divulgado após a sessão.

“Com base nos interesses superiores de nosso país, buscamos atingir um ritmo de negociações que nos permita concluir este dossiê em um prazo razoável”.

As negociações tiveram como pano de fundo a espiral de crise econômica do Líbano, a pior de sua história moderna, e após uma onda de sanções dos EUA que recentemente incluiu dois influentes ex-ministros aliados do grupo armado Hezbollah.

Israel, os EUA, bem como alguns outros países ocidentais e árabes consideram o Hezbollah aliado do Irã uma organização terrorista.

Israel disse que haverá “negociações diretas”, algo que as autoridades libanesas negaram.

Israel enviou uma equipe de seis membros, incluindo o diretor-geral de seu ministério de energia, o assessor de política externa do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o chefe da divisão estratégica do exército.

A delegação de quatro membros do Líbano era composta por dois oficiais do exército, um oficial libanês do petróleo e um especialista em legislação de fronteira marítima.

O Hezbollah e seu aliado Amal criticaram a delegação que representa o Líbano nas negociações.

Uma declaração dos dois principais partidos xiitas do Líbano, vinda poucas horas antes do início da reunião, pediu a reforma da equipe de negociação que eles disseram que deve incluir apenas oficiais militares, sem civis ou políticos.

Zeina Khodr, da Al Jazeera, relatando de Naqoura, disse que “os Estados Unidos têm se envolvido em uma intensa diplomacia nos últimos anos para colocar esses dois lados na mesa de negociações”.

“É significativo porque esta é a primeira vez desde 1990 que israelenses e libaneses falam sobre o assunto civil”, disse ela.

“Os dois lados vêm dizendo que essas conversas não são sobre paz, normalização de laços ou reconhecimento mútuo. Mas eles são sobre um problema técnico. Se isso é possível ou não, essa é outra questão. Ambos os lados têm interesses comerciais em jogo. Líbano mais do que Israel, porque Israel já começou a perfurar e explorar suas águas, mas o Líbano não. ”

Na segunda-feira, o jornal pró-Hezbollah Al-Akhbar chamou as negociações de “um momento de fraqueza política sem precedentes para o Líbano” e argumentou que Israel era o verdadeiro “beneficiário”.

As negociações ocorrem semanas depois de Bahrein e os Emirados Árabes Unidos se tornarem os primeiros países árabes a estabelecer relações com Israel desde que o Egito o fez em 1979 e a Jordânia em 1994.

Israel e Líbano não têm relações diplomáticas e estão tecnicamente em estado de guerra.

Cada um deles reivindica cerca de 860 quilômetros quadrados (330 milhas quadradas) do Mar Mediterrâneo como estando dentro de suas próprias zonas econômicas exclusivas.

O ministro das Relações Exteriores do Líbano, Charbel Wehbi, disse que os negociadores libaneses serão “mais ferozes do que esperam, porque não temos nada a perder”.

Ele acrescentou que se a economia do Líbano entrar em colapso, “não há interesse em fazer concessões”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *