Cientistas vão a loucura quando a sonda Osiris-Rex da Nasa marca o asteróide Bennu na oferta de amostra

Compartilhe

A espaçonave Osiris-Rex da América completou sua audaciosa manobra tag-and-go projetada para agarrar rocha de superfície de um asteróide.

Sinais de rádio de 330 milhões de km de distância confirmam que a sonda fez contato com o objeto de 500 metros conhecido como Bennu.

Mas a missão liderada pela Nasa terá que esperar mais dados do Osiris-Rex antes de se saber com certeza que o material foi realmente coletado.

O objetivo era adquirir pelo menos 60g, talvez até um quilo ou mais.

Como Bennu é um objeto espacial muito primitivo, os cientistas afirmam que a areia e a poeira de sua superfície podem conter pistas fascinantes sobre a química que trouxe o Sol e os planetas à existência há mais de 4,5 bilhões de anos.

“A equipe está exuberante; as emoções são altas; todos estão realmente orgulhosos”, disse o investigador principal Dante Lauretta, da Universidade do Arizona, em Tucson.

Obra de arte: Osiris-Rex se aproximando da superfície do Asteróide Bennu.

“Este foi o marco principal desta missão. Agora leva alguns dias para descobrir quanto dessa amostra incrível que temos e que temos pensado há décadas”, acrescentou Thomas Zurbuchen, administrador associado da Nasa para a ciência.

Ambos os homens estavam acompanhando os eventos do controle da missão na fabricante de espaçonaves Lockheed Martin.

Supondo que haja uma amostra adequada com segurança a bordo, a sonda poderá empacotá-la para retornar à Terra, previsto para 2023.

Caso contrário, a equipe da missão terá que configurar o Osiris-Rex para outra tentativa.

A espaçonave fez seu lance de amostra em um trecho estreito de terreno ao norte em Bennu, apelidado de Nightingale.

A sonda desceu lentamente para a zona-alvo de 8 m de largura ao longo de um período de quatro horas e meia, passando por algumas rochas imponentes no caminho, incluindo um bloco de dois andares que foi apelidado de Monte da Perdição.

Osiris-Rex usou o que alguns descreveram como um “aspirador reverso” para fazer sua superfície agarrar.

Mais apropriadamente chamado de Mecanismo de Aquisição de Amostras Touch-and-Go, ou Tag-Sam, este dispositivo é uma lança longa com uma câmara de coleta em forma de anel na extremidade.

A ideia era empurrar o anel para a superfície e ao mesmo tempo expressar uma corrente de gás nitrogênio para chutar pequenos fragmentos de rocha.

Os sensores do Osiris-Rex informaram aos controladores da missão que todas as ações na sequência de amostragem foram concluídas com sucesso e que a espaçonave se afastou de Bennu conforme planejado após alguns segundos de contato.

Mas a equipe de ciência e engenharia precisará de tempo para avaliar o que exatamente pode ter sido capturado na câmara de coleta.

Uma maneira de fazer isso é fotografar a cabeça do anel. Isso será feito nos próximos dias.

Mas os controladores também irão comandar a espaçonave para girar com a lança e o anel Tag-Sam estendidos. Qualquer massa extra a bordo mudará a quantidade de torque necessária para girar a sonda, em comparação com a quantidade necessária para realizar o mesmo exercício de rotação antes da aquisição da amostra.

Esta técnica de medição fornecerá uma quantidade precisa de alguns 10 segundos de gramas.

Osisris-Rex tirou fotos durante toda a descida, mas não conseguiu enviar nenhuma delas para casa na época porque sua antena de alto ganho não estava apontada para a Terra.

Depois que a sonda tiver restabelecido essa conexão, os dados podem ser baixados.

“Essas imagens vão nos dar uma enorme quantidade de informações sobre como foram os acontecimentos de hoje”, disse a professora Lauretta. “Por um lado, eles vão nos dizer sobre a probabilidade de coleta de amostra, uma espécie de avaliação probabilística.”

A Nasa promete divulgar algumas dessas fotos na quarta-feira.

Vários cientistas, inclusive no Reino Unido, esperam ter a chance de analisar qualquer material trazido de Bennu – entre eles Sara Russell do Museu de História Natural de Londres.

Asteróides como o Bennu se formaram nos primeiros tempos do Sistema Solar. Eles são basicamente os blocos de construção dos planetas – uma cápsula do tempo que nos contará como o Sol e os planetas surgiram e evoluíram. Bennu pode realmente nos ajudar a detalhar como esse processo realmente acontece “, disse ela à BBC News.

– BBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *