China acusa os ‘perigosos’ EUA de ‘criar o caos’ na Ásia

Compartilhe

Embaixada em Manila condena os EUA depois de visitar o enviado da Casa Branca promete apoio às Filipinas por causa de reivindicações marítimas.

A China acusou os Estados Unidos de tentar “criar o caos” na Ásia-Pacífico, um dia depois que o assessor de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, em visita às Filipinas, apoiou países em disputas marítimas com a China e acusou Pequim de usar pressão militar para promover seus próprios interesses.

Durante sua viagem a Manila, O’Brien disse às Filipinas e ao Vietnã, países em disputa com Pequim para cobrir o Mar da China Meridional: “Nós protegemos vocês”. Ele também reiterou o compromisso dos Estados Unidos com o governo autônomo de Taiwan.

A China reivindica quase todo o Mar da China Meridional sob sua chamada linha de nove traços e, nos últimos anos, construiu instalações militares em vários recifes e afloramentos disputados, apesar de uma decisão de um tribunal internacional que encontrou a linha – que coincide com as reivindicações das Filipinas , Vietnã, Malásia e Indonésia – ilegal.

As Filipinas levaram seu caso a Haia após um impasse de dois meses com navios de pesca chineses sobre Scarborough Shoal em 2014 e o tribunal decidiu dois anos depois que, de acordo com a Convenção da ONU sobre o Direito do Mar, as Filipinas tinham direitos exclusivos sobre o recursos dentro de 370,4 km (200 milhas náuticas) de sua costa.

A decisão não dissuadiu a China, que continuou a construir bases no mar, enquanto os EUA enviaram repetidamente navios de guerra pela área para destacar a liberdade de navegação em uma das rotas comerciais mais movimentadas do mundo.

‘Apenas uma China’

A embaixada chinesa acusou os EUA de comportamento “provocativo”.

“Os fatos provam que os Estados Unidos são o maior impulsionador da militarização do SCS e o fator externo mais perigoso que põe em risco a paz e a estabilidade do SCS”, disse o comunicado em referência à hidrovia.

A China também criticou os comentários de O’Brien sobre Taiwan, que Pequim afirma ser seu. O’Brien alertou a China que enfrentaria uma “reação” se tentasse usar a força militar para coagir a ilha.

O comunicado disse que Taiwan é um assunto “interno” para a China.

“Há apenas uma China no mundo”, disse. “Tanto Taiwan quanto Hong Kong são partes inalienáveis ​​da China. Este é um fato objetivo e uma norma básica que rege as relações internacionais. ”

As relações entre a China e os EUA se deterioraram desde que Donald Trump foi eleito presidente em 2016, com as duas partes em desacordo sobre questões que vão desde democracia e direitos humanos até tecnologia e comércio.

Espera-se que o presidente eleito Joe Biden adote uma abordagem mais diplomática em relação à China, mas uma abordagem mais assertiva em relação a Pequim tem amplo apoio bipartidário em Washington, DC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *