Hubble observa um exoplaneta estranho e distante semelhante ao ‘Planeta Nove’ que pode existir em nosso sistema solar

Compartilhe

Um exoplaneta massivo orbitando em um sistema de estrela dupla a 336 anos-luz de distância pode ser semelhante ao alegado “Planeta Nove” que pode existir na periferia de nosso sistema solar, de acordo com um novo estudo.

O exoplaneta, ou planeta localizado fora de nosso sistema solar, é chamado HD106906 be tem 11 vezes a massa de Júpiter, o maior planeta conhecido em nosso sistema solar. Leva 15.000 anos terrestres para o exoplaneta completar uma órbita em torno do par de estrelas.

O estudo foi publicado no The Astronomical Journal na quinta-feira.

Embora o exoplaneta tenha sido descoberto em 2013 usando os Telescópios Magellan no Observatório Las Campanas, no Chile, os pesquisadores não conseguiram determinar sua órbita. Isso os levou a questionar se ele estava orbitando as duas estrelas ou se era um planeta rebelde viajando para longe do sistema, desconectado de qualquer estrela.

O telescópio espacial Hubble, no entanto, forneceu medições precisas dos movimentos do planeta ao longo de um período de 14 anos.

Esta é a primeira vez que os cientistas foram capazes de medir o movimento de um planeta tão massivo orbitando tão distante de sua estrela. É também o único planeta conhecido por estar tão separado de suas estrelas.

O exoplaneta está tão longe de suas jovens estrelas hospedeiras que a distância equivale a 730 vezes a distância da Terra ao sol. E isso explica por que a órbita deste exoplaneta tem sido tão difícil de rastrear – está se movendo incrivelmente devagar por causa de sua distância das estrelas hospedeiras, então sua atração gravitacional no planeta é muito mais fraca.

O jovem par de estrelas, de apenas 15 milhões de anos em comparação com nosso Sol de 4,5 bilhões de anos, está rodeado por um disco empoeirado de destroços. O disco representa os restos do que foi necessário para criar as estrelas e a mesma poeira da qual nascem os planetas. Os astrônomos têm estudado esse sistema nos últimos 15 anos porque eles acham que planetas podem estar se formando neste disco.

Comparado com as estrelas e este disco, o exoplaneta está viajando ao longo de uma órbita extremamente angulada e alongada, inclinada cerca de 21 graus.

“Seria bizarro se, digamos, Júpiter tivesse uma inclinação de 30 graus em relação ao plano em que todos os outros planetas orbitam. Isso levanta todos os tipos de questões sobre como HD 106906 b acabou tão longe em uma órbita tão inclinada, “, disse o principal autor do estudo, Meiji Nguyen, especialista júnior em astronomia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, em um comunicado.

Então, como o exoplaneta foi parar nesta órbita? É provável que originalmente se formou muito mais perto do par de estrelas, e sua órbita trouxe o planeta tão perto de suas estrelas que sua gravidade combinada essencialmente derrubou o planeta.

Essa força gravitacional poderia ter enviado o planeta para fora do sistema estelar, mas se outra estrela passasse, ela teria empurrado o exoplaneta de volta à órbita em seu sistema doméstico.

Isso teria criado a órbita incomum que o planeta tem hoje. Os pesquisadores usaram dados do observatório espacial Gaia da Agência Espacial Européia para identificar várias estrelas potenciais que podem ter passado por este sistema.

O mistério do Planeta Nove

Se esse tipo de dança gravitacional pode impactar um exoplaneta, isso também pode ter ocorrido durante a história de nosso sistema solar.

Alguns cientistas acreditam que existe um Planeta Nove na borda de nosso sistema solar, mais distante do que os fragmentos rochosos congelados no Cinturão de Kuiper, além de Plutão. Dadas as órbitas estranhas de alguns desses corpos celestes e planetas anões além de Netuno, os astrônomos acham que existe um planeta enorme e invisível que os empurrou para um aglomerado e governa seus movimentos.

Astrônomos sugeriram a existência do planeta em 2012 para explicar o fenômeno. Mas ainda não foi descoberto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *