Operação contra lavagem de dinheiro é realizada no Espírito Santo e em outros três estados

Compartilhe

Uma operação para apurar crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e falsificação de documentos foi desencadeada, na manhã desta terça-feira (15), pela Polícia Civil do Espírito Santo (ES) e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

A ação, batizada de Pìanjú, também ocorre simultaneamente no Espírito Santo, Ceará e Alagoas. Em São Paulo, até o momento, três alvos foram presos e conduzidos ao Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), na Sede da Polícia Civil, no centro de São Paulo.

A Polícia Civil do Espírito Santo, com apoio das polícias de São Paulo, Alagoas e Ceará, realiza uma operação para desarticular um grupo criminoso, que atuava de forma estruturada com a finalidade de praticar diversos crimes, entre eles: organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos públicos e particulares, inserção de dados falsos em sistemas informatizados, falsidade ideológica, estelionato e falsa comunicação de crime.

A operação ocorreu de forma simultânea no Espírito Santo (Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica), em São Paulo (Capital, Santos e Jaguariúna), Ceará (Fortaleza) e Alagoas (Maceió), tendo sido empregados 118 agentes das Polícias Civis dos Estados do Espírito Santo, São Paulo, Ceará e Alagoas.

Foram expedidos 126 mandados judiciais, sendo, 18 mandados de prisão preventiva, 5 mandados de prisão temporária, 30 mandados de busca e apreensão, 23 sequestros de embarcações, 43 ordens judiciais de bloqueio de contas bancárias e 2 ordens judiciais de suspensão de atividades econômicas.

Entre as ordens de busca e apreensão foram encontrados 12 imóveis, 3 veículos de luxo, 12 motos aquáticas e 11 embarcações.

Durante dois anos de investigação, a polícia comprovou que a organização criminosa, que atuava no Estado do Espírito Santo, composta por dois grandes empresários capixabas (além de diversos outros membros), agia como “prestadora de serviços” de lavagem de capitais para outras organizações, inclusive, com ligação com empresas e pessoas investigadas e denunciadas em fases da operação Lava Jato.

Segundo a polícia, foram cumpridos os mandados de prisão expedidos dos membros responsáveis pelo esquema de lavagem de capitais, que era realizada por meio de empresas de fachada e fictícias, que eram criadas com de identidades falsas, expedidas pelo setor de identificação da Policia Civil do Estado do Espírito Santo.

*Com informações do MPES e do Portal R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *