Governo dos EUA apela ordem bloqueando restrições do TikTok

Compartilhe

O governo Trump na segunda-feira apelou da ordem de um juiz federal bloqueando as restrições que teriam efetivamente impedido o uso do aplicativo de compartilhamento de vídeos chineses TikTok nos EUA.

O governo citou preocupações com a segurança nacional ao apontar o TikTok, argumentando que os dados pessoais dos usuários dos EUA poderiam ser obtidos pelo governo da China. A TikTok, que tem mais de 100 milhões de usuários nos Estados Unidos, nega a acusação.

Em uma decisão de 7 de dezembro, o juiz distrital dos EUA Carl Nichols em Washington emitiu uma ordem que impedia o Departamento de Comércio de barrar a hospedagem de dados para a TikTok dentro dos EUA, serviços de entrega de conteúdo e outras transações técnicas que o proprietário da TikTok, Bytedance, disse que teriam impedido o uso do aplicativo nos EUA.

O Departamento de Justiça disse que estava apelando da ordem de Nichols ao Tribunal de Apelações dos EUA para o Distrito de Columbia.

Um tribunal de apelações separado dos EUA deve ouvir um recurso em fevereiro de uma decisão de outubro da juíza distrital dos EUA Wendy Beetlestone, na Pensilvânia, que bloqueou as mesmas restrições que haviam entrado em vigor em 12 de novembro.

Autoridades informadas sobre o assunto disseram à Reuters que é cada vez mais improvável que o governo resolva o destino da TikTok nos EUA antes que o presidente Donald Trump deixe o cargo em 20 de janeiro. Ainda há uma chance remota de que um acordo seja fechado em janeiro, disseram.

Em uma decisão separada em setembro, Nichols emitiu uma ordem impedindo o Departamento de Comércio de exigir que a Apple Inc e o Google da Alphabet removessem o aplicativo TikTok de suas lojas.

Um tribunal de apelações dos EUA em Washington ouviu o apelo do governo contra essa decisão há duas semanas.

No início deste mês, a administração Trump optou por não conceder ao ByteDance uma nova prorrogação de uma ordem emitida pelo presidente em agosto exigindo que a empresa se desfizesse dos ativos da TikTok nos Estados Unidos. Isso deu ao Departamento de Justiça o poder de executar a ordem de alienação assim que o prazo expirasse.

Em entrevista à Reuters em 16 de dezembro, o então procurador-geral adjunto Jeffrey Rosen se recusou a dizer se o Departamento de Justiça tentaria fazer cumprir a ordem. Rosen, desde então, tornou-se procurador-geral interino dos Estados Unidos.

Sob pressão do governo dos EUA, ByteDance está em negociações há meses para finalizar um acordo com o Walmart Inc e a Oracle Corp para transferir os ativos da TikTok nos EUA para uma nova entidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *