Arábia Saudita lança ataques aéreos em Sanaa após explosões mortais em Aden

Compartilhe

Os ataques aéreos ocorreram durante a noite depois que pelo menos 26 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em um ataque ao aeroporto de Aden.

A coalizão Saudita-Emirados Árabes Unidos que luta contra os rebeldes Houthi no Iêmen teria realizado ataques aéreos em partes da capital, Sanaa, horas depois que as explosões atingiram o principal aeroporto da cidade de Aden, no sul do país, matando pelo menos 26 pessoas.

A coalizão lançou os ataques aéreos durante a noite no Aeroporto Internacional de Sanaa, e dois locais Houthi em Rima Hamid no distrito de Sanhan e Wadi Rjam no distrito Bani Hashish situado no sul de Sanaa, de acordo com a TV Al Masirah administrada por Houthi.

Nenhuma vítima foi relatada até agora.

“Há mais de oito batidas realizadas”, confirmou Mohammed Al Attab, da Al Jazeera, relatando de Sanaa.

António Guterres, o chefe da ONU, condenou o “deplorável” ataque mortal ao aeroporto de Aden, que ocorreu momentos depois de um avião que transportava membros de um recém-formado gabinete de unidade apoiado pelos sauditas aterrar.

Horas depois do ataque, uma segunda explosão foi ouvida em torno do palácio presidencial Maasheq de Aden, onde membros do gabinete, incluindo o primeiro-ministro do Iêmen, Maeen Abdulmalik, bem como o embaixador saudita no Iêmen, Mohammed Said al-Jaber, foram levados para um local seguro, residentes e locais mídia disse.

Dois membros da equipe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha também foram mortos no ataque e um estava desaparecido, disse o CICV em um comunicado.

O primeiro-ministro Abdulmalik disse que todos os membros do gabinete estavam “bem”. Ele classificou os ataques como “traiçoeiros” e “covardes”

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque mortal.

Os Houthis, que estão alinhados com o Irã, negaram que estivessem por trás do ataque.

A coalizão liderada pelos sauditas disse mais tarde que derrubou um drone Houthi carregado de explosivos que tinha como alvo o palácio presidencial.

O novo gabinete de unidade impulsionado por Riade visava unir o governo apoiado internacionalmente do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi com separatistas do sul (Conselho de Transição do Sul ou STC), que são apoiados pelos Emirados Árabes Unidos.

Os dois grupos são as principais facções iemenitas em uma aliança baseada no sul e apoiada pelos sauditas que luta contra os houthis que controlam o norte, incluindo a capital, Sanaa.https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.432.0_en.html#goog_1091065227Reproduzir vídeo

A cidade portuária de Aden, ao sul, está atolada em violência por causa de um rompimento entre os separatistas apoiados pelos Emirados Árabes Unidos e o governo de Hadi.

O STC, que busca independência para o sul do Iêmen, declarou autogoverno em Aden em abril, desencadeando confrontos e complicando os esforços das Nações Unidas para forjar um cessar-fogo permanente no conflito geral.

A coalizão liderada pelos sauditas anunciou o novo gabinete de compartilhamento de poder neste mês, após mais de um ano de intensa mediação saudita entre o governo e os separatistas.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *