Governos europeus alertam que último movimento do Irã tem graves implicações militares

Compartilhe

EUA anuncia nova rodada de sanções depois que Teerã se move para produzir urânio metálico; Biden nomeia Sherman, negociador do acordo com o Irã, para cargo sênior no Departamento de Estado.

O movimento do Irã em direção à produção de urânio metálico só poderia ser usado para produzir armas, alertaram os governos da França, Alemanha e Reino Unido em um comunicado no sábado.“O Irã não tem um uso civil confiável para o urânio metálico”, alertou o grupo, conhecido como E3 no contexto do acordo nuclear com o Irã. “A produção de urânio metálico tem implicações militares potencialmente graves.”

A declaração da E3 veio depois que o Irã notificou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na quarta-feira que começaria a pesquisa sobre a produção de urânio metálico, que Teerã afirmava ter como objetivo fornecer combustível para um reator de pesquisa em Teerã. A IAEA disse: “O Irã informou a Agência em uma carta em 13 de janeiro que ‘a modificação e instalação do equipamento relevante para as atividades de P&D mencionadas já foram iniciadas.

O Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), como é conhecido o acordo com o Irã de 2015, bloqueou a produção ou aquisição de plutônio ou urânio metálico ou suas ligas por 15 anos. O Irã poderia começar a pesquisar a produção de combustível com base no urânio metálico em 2025 se os outros parceiros do acordo concordassem com ele. França, Alemanha e Reino Unido disseram estar “profundamente preocupados” com a preparação do Irã para produzir urânio metálico. Pedimos veementemente ao Irã que interrompa essa atividade e volte a cumprir seus compromissos com o JCPOA sem mais delongas se for sério sobre a preservação do negócio”, disse a E3.

O anúncio do Irã de que trabalharia para produzir urânio metálico veio mais de uma semana depois de Teerã anunciar que começaria a enriquecer urânio em até 20%, indo além das limitações de enriquecimento do JCPOA. Os EUA abandonaram o acordo com o Irã em 2018, mudando para um regime de sanções de “pressão máxima”. 

Os defensores do acordo com o Irã apontam para o fato de que o regime dos mulás iniciou grandes violações do JCPOA após a saída dos americanos, enquanto os proponentes apontam que o fato de o Irã poder violar o acordo tão drasticamente – como enriquecimento de 20% – e com tanta facilidade significa que o acordo não estava funcionando em primeiro lugar. A campanha de pressão dos EUA continuou na sexta-feira, nos últimos dias do governo Trump, com o Departamento de Estado dos EUA anunciando sanções a quem transferir 15 materiais usados ​​no programa de mísseis nucleares, militares ou balísticos do Irã. 

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que “o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica controla o setor de construção do Irã”. Pompeo também anunciou sanções a empresas no Irã, China e Emirados Árabes Unidos por trabalharem com a República Islâmica das Linhas de Navegação do Irã, bem como alguns de seus executivos. Os EUA também sancionarão a Organização das Indústrias Marítimas do Irã, a Organização das Indústrias Aeroespaciais e a Organização das Indústrias de Aviação do Irã por se envolverem em atividades relacionadas à proliferação de armas convencionais.

O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, disse que pretende voltar ao acordo com o Irã, junto com o estrito cumprimento iraniano de seus termos.O Embaixador dos Emirados Árabes Unidos nos Estados Unidos Yousef Al Otaiba, o Embaixador do Bahrein nos Estados Unidos Abdulla R. Al Khalifa e o Embaixador de Israel nos Estados Unidos Ron Dermer participaram de uma discussão sobre o Irã e a possibilidade de os EUA retornarem ao JCPOA 2015 organizado por Fundação para a Defesa das Democracias em Washington.

Nós nos opomos a um retorno ao mesmo acordo nuclear em 2015”, disse Dermer no evento. Esperamos que o novo governo se sente com Israel, se sente com os Emirados, com o Bahrein, com seus outros aliados na região, converse conosco porque vivemos na região, sabemos um pouco sobre nossa própria segurança, Dermer continuou. E, assim como no caso da Coreia do Norte, quando você está negociando com eles, você ouve o Japão, ouve a Coreia do Sul e meu palpite é que você os ouviu ainda mais do que ouviu os britânicos, franceses e alemães. E acho o mesmo caso aqui. 

Israel e os Estados Árabes estão na mesma página, como você diz, quando se trata do Irã. Acho que isso significa algo e, com sorte, podemos nos engajar nesse diálogo com o novo governo Biden e, com sorte, encontrar esse terreno comum no futuro. ”Otaiba disse que os EUA têm “muita vantagem” sobre o Irã agora. “E acho que uma das coisas que devemos considerar seriamente é olhar para um JCPOA 2.0 maior e melhor, que resolva as deficiências do JCPOA 1.0.”“Achamos que foi um bom começo, não achamos que foi longe o suficiente”, disse Otaiba. “Não acreditamos que as vozes da região estivessem representadas nas negociações. Então, eu acho que o que defenderíamos é um, vamos ver como fortalecer isso e não ceder toda a vantagem que você tem de início. Vamos fortalecer a equipe diplomática dos EUA e trazer seus parceiros regionais que tendem a estar alinhados nisso.

A Casa Branca anunciou que designará os Emirados Árabes Unidos e o Reino do Bahrein como “Principais Parceiros de Segurança” dos Estados Unidos na sexta-feira. A designação de“ Parceiro Principal de Segurança é um status exclusivo dos Emirados Árabes Unidos e do Reino do Bahrein”, disse o secretário de imprensa da Casa Branca em um comunicado. Ele reconhece nossa parceria de segurança excepcional – exemplificada por hospedar milhares de soldados, marinheiros, aviadores e fuzileiros navais dos Estados Unidos – e o compromisso de cada país em combater o extremismo violento em toda a região. Ela prosseguiu dizendo que “o mais notável é que os dois países participaram de várias coalizões lideradas pelos Estados Unidos nos últimos 30 anos”. No entanto, o anúncio da Casa Branca não especificou como o novo status afetaria o relacionamento dos EUA com esses países no futuro. A designação vem logo após os acordos de Abraham e os últimos dias da administração Trump.

No sábado, Biden anunciou que o negociador do acordo com o Irã, Wendy Sherman, ocuparia a posição de número dois no Departamento de Estado, confirmando relatórios anteriores. Sherman, que tem mestrado em serviço social, foi conselheira do Departamento de Estado de 1997 a 2001, período em que também foi coordenadora de políticas para a Coreia do Norte. De 1993 a 1996, ela atuou como secretária de Estado assistente para assuntos legislativos. Por causa de sua associação com o acordo com o Irã, que foi ferozmente contestado por republicanos e alguns democratas, Sherman deveria enfrentar alguns problemas para obter a confirmação do Senado. No entanto, seu caminho será mais fácil depois que os companheiros democratas de Biden ganharem duas eleições de segundo turno em 5 de janeiro, que lhes concederão o controle do Senado. Sherman é atualmente professor da Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard e conselheiro sênior do Albright Stonebridge Group, uma empresa de estratégia e diplomacia comercial.

O Comitê de Relações Exteriores do Senado realizará uma audiência de confirmação na terça-feira para Antony Blinken, o nomeado de Biden para secretário de Estado. Enquanto isso, o deputado Gregory Meeks (D-NY), presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, apresentou medidas “expressando oposição do Congresso às propostas de vendas de armas do governo Trump para o Reino da Arábia Saudita”. Não há justificativa para a decisão do governo Trump de apressar a venda de milhares de bombas para a Arábia Saudita – especialmente após a falsa venda ’emergencial’ de 60.000 munições no ano passado”, disse Meeks em um comunicado. 

O Iêmen já foi descrito pela ONU como a maior crise humanitária do mundo, e essa crise se agrava quando as armas vendidas pelos Estados Unidos estão sendo usadas de forma imprudente, custando a vida de civis. Apoio fortemente a promessa do novo governo Biden de conduzir uma revisão completa das políticas, disse Meeks. De acordo com a declaração, as resoluções conjuntas de desaprovação foram co-patrocinadas pelos Representantes Gerald Connolly (D-VA), Ted Deutch (D-FL), Ted Lieu (D-CA), Ro Khanna (D-CA), Barbara Lee (D-CA) e James McGovern (D-MA).O Departamento de Estado dos EUA aprovou a venda potencial de 3.000 munições guiadas de precisão para o Reino da Arábia Saudita em um negócio avaliado em até US $ 290 bilhões, disse o Pentágono em 30 de dezembro. A venda ocorre nos últimos dias do mandato do presidente dos EUA, Donald Trump. Biden prometeu suspender as vendas de armas para a Arábia Saudita, o maior comprador de armas americanas do Oriente Médio, em uma tentativa de pressionar Riad a encerrar a guerra devastadora no Iêmen.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *