Mulher que teve Síndrome de Haff após comer peixe recebe alta do hospital no Recife; irmã segue na UTI

Compartilhe

Uma das duas irmãs internadas com a Síndrome de Haff, conhecida popularmente como ‘doença da urina preta’, após comer peixe recebeu alta do Hospital Português, no Recife, na manhã desta quarta-feira (24). A empresária Flávia Andrade, de 36 anos, saiu do local após quatro dias de internamento na unidade de saúde, onde chegou no sábado (20).

A irmã dela, a médica veterinária Pryscila Andrade, de 31 anos, permanece na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do mesmo hospital particular desde o dia 18 de fevereiro.

“As taxas dela baixaram e o resto da recuperação vai ser em casa. Não vai precisar tomar nenhum remédio, mas precisa beber muito líquido e se hidratar bastante”, afirmou a mãe delas, a empresária Betânia Andrade.

O Hospital Português confirmou a alta de Flávia, mas informou que não vai divulgar boletins com atualizações sobre o estado de saúde de Pryscila porque a família não autorizou

“Ela ainda está com o fígado e os rins comprometidos, mas voltou a conseguir movimentar os braços, pois, até então, estava com a musculatura toda travada”, declarou.

Flávia e Pryscila chegaram ao local apresentando mal-estar e dores após a ingestão de peixe da espécie arabaiana comprado no bairro do Pina, na Zona Sul do Recife. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *