Covid -19 causa mais complicações na gravidez do que pensávamos, diz estudo

Compartilhe

Como tudo nesta pandemia , o conhecimento que temos sobre como o COVID-19 afeta a gravidez mudou desde que aprendemos sobre o vírus no início de 2020.

Infelizmente, a coleta de informações e pesquisas nessa área tem sido mais lenta do que muitos médicos gostariam, e um novo estudo descobriu que os riscos de gravidez podem ser maiores do que pensávamos .

“Agora sabemos que os riscos para mães e bebês são maiores do que presumíamos no início da pandemia e que as medidas de saúde conhecidas, quando implementadas, devem incluir mulheres grávidas”, disse Stephen Kennedy, pesquisador de medicina reprodutiva da Universidade de Oxford , um dos autores do estudo .

“A informação deve ajudar as famílias, pois agora é clara a necessidade de fazer tudo para evitar o contágio. Também fortalece a ideia de vacinar todas as mulheres grávidas”.

Os pesquisadores acompanharam 2.130 mulheres grávidas de 18 países entre março e outubro de 2020, 706 delas com diagnóstico de COVID-19 e o restante sem, como parte de um estudo denominado INTERCOVID .

Para cada gestante infectada com COVID-19, a equipe matriculou duas gestantes do mesmo hospital no mesmo estágio de gravidez e acompanhou todas até o nascimento e alta hospitalar.

O estudo foi observacional , portanto, ele pode apenas nos informar sobre as ligações potenciais entre o COVID-19 e os riscos da gravidez, mas os resultados são consistentemente piores para as mulheres grávidas com COVID-19.

“Este é um grande estudo”, Universidade de Montreal Hospital Research Center epidemiologista Nathalie Auger, que não estava envolvido no estudo,  disse Ciência .

“Eles acompanharam as mulheres durante a gravidez, o que é um desenho realmente excelente, e ajudaram a confirmar os estudos anteriores, que são muito mais fáceis de criticar”.

A pesquisa descobriu que mulheres grávidas com infecção por SARS-CoV-2 corriam um risco maior de infecções graves, internações em unidades de terapia intensiva e até morte. Os bebês também eram significativamente mais propensos a ser prematuros e apresentar outras complicações.

“Mulheres com COVID-19 durante a gravidez tinham mais de 50 por cento de probabilidade de sofrer complicações na gravidez (como parto prematuro, pré-eclâmpsia, admissão em cuidados intensivos e morte) em comparação com mulheres grávidas não afetadas por COVID-19”, diz Oxford medicina fetal pesquisador e co-autor do estudo Aris Papageorghiou .

“Os recém-nascidos de mulheres infectadas também apresentam risco quase três vezes maior de complicações médicas graves, como internação em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal – principalmente devido ao parto prematuro”.

“A boa notícia” , acrescenta ele , “é que os riscos em mulheres infectadas sem sintomas e mulheres não infectadas eram semelhantes”.

Esta é uma informação importante para quem está ou pretende engravidar. Já vimos que o vírus às vezes pode ser transmitido  da mãe para o bebê , e este estudo complementa o conjunto de pesquisas, descobrindo que 13% dos bebês com mães COVID-19 positivas também testaram positivo nos primeiros dias após o nascimento.

Curiosamente, a equipe de pesquisa também descobriu que o parto cesáreo foi associado a um risco maior de bebês com teste positivo para o vírus, enquanto a amamentação não.

É improvável que esta seja a última palavra sobre este tópico, mas a pesquisa fornece a clareza necessária para aqueles que esperam ou consideram engravidar enquanto a pandemia continua, e também é uma informação valiosa para as autoridades que administram programas de vacinação.

E para aquelas que contraíram COVID-19 durante a gravidez, os médicos terão mais informações para garantir que tenham uma gravidez e um parto saudáveis.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *