NASA participará de exercício de simulação de impacto de asteróide com a terra

Compartilhe

Os exercícios para o enfrentamento da hipotética ameaça buscam fornecer informações para um melhor preparo e mitigar os desafios que possam de fato se apresentar.

O cenário de um desastre de magnitude como o impacto hipotético de um grande asteróide contra a Terra pode ser difícil de prever, mas é exatamente por isso que é necessário ter um plano caso tal desafio surja. Por isso, instituições de vários países participam esta semana de um exercício para enfrentar a ameaça de um objeto fictício se aproximando do planeta.

Durante a Conferência de Defesa Planetária, realizada em Viena (Áustria), pretende-se saber se as tecnologias, sistemas e instituições atuais poderiam fazer frente à crise de um asteróide real que ameaçava a vida planetária. Agências como NASA e ESA participam neste exercício de simulação.

A ameaça hipotética no momento está localizada em um asteróide, o chamado 2021 PDC, descoberto em 19 de abril por astrônomos no Havaí. O objeto está a 57 milhões de quilômetros de distância, e sua maior aproximação com a Terra ocorrerá em 20 de outubro de 2021, em apenas seis meses. Embora inicialmente a probabilidade de impacto fosse baixa, com o passar do tempo foi considerada crescente.

Quando se constatou que havia possibilidade relativamente alta de impacto, os especialistas começaram a pensar em formas de amenizar o problema , mas concluíram que o tempo para agir era muito curto. Nesse contexto, argumentam que deve ser dada especial importância aos sistemas de detecção precoce.

“Cada vez que participamos de um exercício dessa natureza, aprendemos mais sobre quem são os principais atores em um evento de desastre, quem precisa saber quais informações e quando”, disse Lindley Johnson, Oficial de Defesa Planetária da NASA.

Os exercícios também têm como objetivo impulsionar a tão esperada missão Double Asteroid Redirection ( DART) , programada para 2022, que pretende ser a primeira demonstração real da tecnologia de deflexão de asteróides.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *