Biden revoga ordens de proibição de TikTok e WeChat da era Trump

Compartilhe

A Casa Branca retirou as ordens executivas da era Trump que tentavam banir os aplicativos populares TikTok e WeChat e conduzirá sua própria análise com o objetivo de identificar riscos de segurança nacional com aplicativos de software vinculados à China, disseram autoridades na quarta-feira.

Uma nova ordem executiva instrui o Departamento de Comércio a realizar o que os funcionários descrevem como uma análise “baseada em evidências” de transações envolvendo aplicativos que são fabricados ou fornecidos ou controlados pela China. As autoridades estão particularmente preocupadas com aplicativos que coletam dados pessoais dos usuários ou têm conexões com atividades militares ou de inteligência chinesas.

O departamento também fará recomendações sobre como proteger ainda mais as informações genéticas e de saúde pessoais dos americanos e abordará os riscos de certos aplicativos de software conectados à China ou outros adversários, de acordo com altos funcionários da administração.

A decisão do governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reflete a preocupação constante de que os dados pessoais dos americanos possam ser expostos por aplicativos populares vinculados à China, principal rival político e econômico dos Estados Unidos. A Casa Branca e o Congresso tomaram medidas para lidar com o avanço tecnológico de Pequim. Na terça-feira, o Senado aprovou um projeto de lei que visa aumentar a produção de semicondutores nos Estados Unidos e o desenvolvimento de inteligência artificial e outras tecnologias em face da crescente competição internacional.

O governo no início deste ano recuou das tentativas do ex-presidente Donald Trump de proibir o popular aplicativo de vídeo TikTok, pedindo a um tribunal que adiasse uma disputa legal enquanto o governo iniciava uma revisão mais ampla das ameaças à segurança nacional representadas por empresas de tecnologia chinesas.

Um processo judicial disse que o Departamento de Comércio estava analisando se as alegações de Trump sobre a ameaça do TikTok à segurança nacional justificavam as tentativas de bani-lo das lojas de aplicativos de smartphones e negar-lhe serviços técnicos vitais. Uma atualização da revisão deveria ser feita em um processo judicial no final desta semana.

Também no limbo está uma proposta de aquisição da TikTok pelos EUA. No ano passado, o governo Trump intermediou um acordo que teria feito com que as empresas americanas Oracle e Walmart tomassem uma grande participação no aplicativo de propriedade chinesa por motivos de segurança nacional.

O arranjo incomum resultou de uma ordem executiva de Trump que visava proibir o TikTok nos Estados Unidos, a menos que aceitasse um grau maior de controle dos Estados Unidos.

Trump direcionou a TikTok no verão de 2020 com uma série de pedidos citando preocupações sobre os dados dos EUA que a TikTok coleta de seus usuários. Os tribunais bloquearam temporariamente a tentativa de proibição da Casa Branca, e a eleição presidencial logo ofuscou a luta TikTok.

A TikTok tem procurado o Tribunal de Apelações dos Estados Unidos para o Circuito do Distrito de Columbia para revisar a ordem de desinvestimento de Trump e a revisão da segurança nacional do governo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *