EUA alertam países vizinhos para não permitirem a entrada de navios de guerra iranianos cruzando o Atlântico e supostamente carregado de armas

Compartilhe

Os EUA vêm alertando a Venezuela e Cuba para não permitirem que dois navios de guerra iranianos que cruzam o Atlântico atracem em seus portos, informou o Politico na quinta-feira , citando várias pessoas informadas sobre o assunto.

O Makran, um petroleiro iraniano convertido em uma grande base marítima para operações navais expedicionárias, é acompanhado pela fragata Sahand e acredita-se que esteja carregando armas. Os dois navios completaram cerca de metade de sua jornada para o outro lado do Atlântico. Acredita-se que a Venezuela seja o destino pretendido.

Imagens de satélite obtidas há cerca de um mês pela Maxar e relatadas pelo USNI News mostraram o grande navio transportando várias embarcações de ataque rápido como as que o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã tem usado repetidamente para assediar os navios da Marinha e da Guarda Costeira dos EUA no Golfo Pérsico.

Não está claro, no entanto, se ele ainda está carregando esses barcos. Se eles ainda estiverem a bordo, não está claro se o Irã pretende transferir esses barcos ou outras armas ou realizar alguma outra missão inteiramente.

O Irã não revelou suas intenções. De qualquer forma, os Estados Unidos deixaram muito clara sua posição sobre essa questão específica.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse à CNN Internacional na semana passada que “observaríamos que a entrega de tais armas seria um ato provocativo e uma ameaça aos nossos parceiros neste hemisfério. Como tal, nos reservamos o direito de tomar as medidas apropriadas em conjunto com nossos parceiros para impedir a entrega ou trânsito de tais armas. “

O governo Biden também pressionou Venezuela e Cuba por meio dos canais diplomáticos, instando Caracas e Havana a não permitir a entrada dos dois navios iranianos, informou o Politico, citando dois oficiais de defesa e um congressista.

Um funcionário do atual governo disse ao Politico que o Irã possivelmente está entregando armas de uma venda feita sob o governo anterior e culpou o governo Trump por empurrar o Irã e a Venezuela juntos em campanhas de pressão máxima.

Elliott Abrams, que serviu como enviado especial para o Irã e a Venezuela durante o governo Trump, disse ao Politico que tais acusações eram “mesquinhas” e “políticas” e indicou que o oficial está “muito mais interessado em culpar predecessores do que em proteger a segurança nacional dos Estados Unidos . “

“Todos nós esperamos que a diplomacia funcione”, disse ele. “Do contrário, este governo deveria estar pronto para agir – não para culpar mais e mais pessoas por sua inação”.

Durante os meses finais da administração Trump, havia preocupações sobre as possíveis vendas de mísseis iranianos para a Venezuela.

“Fiz uma declaração muito concreta sobre isso: não aceitaremos, não toleraremos a colocação na Venezuela de mísseis iranianos que possam atingir os Estados Unidos”, disse Abrams em dezembro .

“Não vamos aceitar”, sublinhou na altura. “E se eles tentarem fazer isso, pelo menos neste governo, vamos tentar interditar, e se eles chegarem na Venezuela, serão tratados na Venezuela”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *