Homem que deu um tapa na cara do presidente da França afirma no tribunal que Macron representa “o declínio do país

Compartilhe

O agressor comentou que também considerou jogar um ovo ou uma torta de creme no presidente, mas mudou de ideia.

Damien Tarel, o homem que esbofeteou o presidente francês Emmanuel Macron na terça-feira, disse a um tribunal que acredita que o presidente representa “o declínio do país”, de acordo com a  TV BFM .

“Acho que muitas pessoas sentem essa injustiça”, enfatizou Tarel. “Não gostaria de julgar nossa democracia, mas acho que ele [Macron] não foi eleito por toda a sociedade francesa”, acrescentou.

Além disso, o agressor compartilhou que também considerou jogar um ovo ou uma torta de creme, entre outros planos. “No carro, enquanto esperávamos, pensamos em fazer algo espalhafatoso, desafiá-lo nas questões políticas, pegar um colete amarelo ou uma bandeira da França, mas mudamos de ideia”, acrescentou.

Um tribunal de Valence condenou o homem a quatro meses de prisão . Tarel foi inicialmente condenado a 18 meses de prisão, mas 14 deles foram suspensos. De acordo com a decisão do tribunal, o homem deve cumprir sua pena imediatamente.

Além disso, ele é obrigado a trabalhar ou estudar por dois anos, bem como receber atendimento psicológico. As autoridades proibiram Tarel de porte de armas por cinco anos e de cargos públicos durante o mesmo período.

O desempregado de 28 anos declarou durante o interrogatório que apoiava o movimento do colete amarelo e tinha convicções políticas de extrema direita. Tarel foi preso junto com outro homem de sua cidade natal, Saint-Vallier. A polícia encontrou armas, uma cópia do manifesto autobiográfico de Adolf Hitler e uma bandeira vermelha comunista na casa do segundo indivíduo. Ele não enfrentará nenhuma acusação relacionada ao tapa, mas será processado por posse ilegal de armas em 2022.

Por sua vez, Macron comentou que esse tapa foi um incidente “isolado” perpetrado por “indivíduos ultraviolentos”.

“Não devemos permitir que acontecimentos isolados, indivíduos ultraviolentos se apropriem do debate público, eles não merecem”, disse o presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *