França lança novo passe de saúde Covid-19, após alta de casos do vírus

Compartilhe

A França lançou um novo passe de saúde COVID-19 em meio a um surto de infecções que gerou alertas de que o país está enfrentando uma quarta onda da pandemia.

A partir de quarta-feira, quem quiser visitar cinemas, museus, jogos esportivos e outros espaços culturais agora terá que apresentar comprovante de vacinação contra COVID-19, teste negativo ou recuperação recente do vírus.

O passe de saúde será estendido em agosto para clientes de restaurantes, cafés e shopping centers.

O esquema de certificação faz parte de várias novas medidas anunciadas pelo Presidente Emmanuel Macron em 12 de julho para reduzir a transmissão do coronavírus, representando algumas das medidas anti-COVID mais duras em vigor na Europa.

As regras de aprovação iniciais do COVID-19 foram implementadas por decreto. Os legisladores vão votar sobre a extensão planejada do regime para cobrir outras configurações.

A estratégia de Macron também verá a vacinação se tornar obrigatória para profissionais de saúde a partir de 15 de setembro.

Quarta onda atinge a França

O passe de saúde entrou em vigor depois que o ministro da Saúde, Olivier Veran, alertou na terça-feira sobre um aumento sem precedentes nos casos de COVID-19 em todo o país, com mais de 18.000 novas infecções registradas nas 24 horas anteriores.

“Isso significa que tivemos um aumento na propagação do vírus de cerca de 150 por cento na semana passada: nunca vimos isso”, disse Veran ao Parlamento francês.

O número crescente de casos foi alimentado pela rápida disseminação da variante Delta do coronavírus, altamente infecciosa, detectada pela primeira vez na Índia.

Na segunda-feira, as autoridades alertaram que o aumento significa que a França entrou oficialmente em uma quarta onda de infecções.

Mas a resposta do governo à crise irritou setores da sociedade francesa, com críticos dizendo que o plano de Macron infringe a liberdade de escolha daqueles que não querem ser vacinados contra o COVID-19.

Mais de 100.000 pessoas se manifestaram em toda a França no sábado para protestar contra o passe de saúde, denunciando uma “ditadura” que discriminaria aqueles que se opõem a receber um tiro.

O Ministério do Interior disse que 137 marchas ocorreram em todo o país, reunindo cerca de 114.000 pessoas no total, das quais 18.000 em Paris.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *