Cientistas alertam que a erupção do Cumbre Vieja não terminará a curto ou médio prazo

Compartilhe

Os indicadores que os cientistas monitoram no vulcão La Palma, especialmente as emissões de dióxido de enxofre, sugerem que o fim da erupção não ocorrerá a curto ou médio prazo

Os indicadores que os cientistas monitoram no vulcão La Palma, especialmente as emissões de dióxido de enxofre, sugerem que o fim da erupção não ocorrerá a curto ou médio prazo , conforme confirma o porta-voz da comissão. Cientista do Plano de Emergência Vulcânica das Ilhas Canárias (Pevolca), María José Blanco.

O vulcão está liberando uma nuvem de gases de 3.000 metros de altura com grandes quantidades de dióxido de enxofre, 17.774 toneladas por dia , e essa medida teria que cair para 100 para pensar que a erupção está chegando ao fim, disse a porta-voz após um encontro em que participou o Presidente do Governo, Pedro Sánchez.

Os outros dois parâmetros que determinam a energia do sistema vulcânico, a deformação do solo e a sismicidade, também mantêm valores estáveis ​​em relação aos dias anteriores.

O diretor técnico da Pevolca, Miguel Ángel Morcuende, informou que a lava flui do flanco norte do vulcão, que flui para oeste e noroeste e que na terça-feira obrigou a evacuação de cerca de 800 moradores do bairro La Laguna, em Los Llanos de Aridane, “avança muito devagar” e existe a possibilidade de que “aborta, que não volte a andar”.

Essa lavagem fica a 200 metros da costa , mas seu braço noroeste, o que cruzou o parque industrial Callejón de la Gata na diagonal na terça-feira, é o que “perde fôlego”, enquanto a lavagem que se move mais rápido, a 50 metros por hora , e mover-se para o sul é “aquele que acumula mais energia e impulso”, explicou.

Os dados mais recentes, correspondentes a 12 de outubro, indicam que a lava cobre 640,27 hectares, 27,94 a mais que no dia anterior, e se alargou para um máximo de 1.770 metros, 250 mais.

Segundo informações dos satélites Copernicus, existem 1.541 prédios ou construções afetadas, das quais 1.408 foram destruídas. Os dados obtidos no cadastro reduzem o número para 937, dos quais 763 para uso residencial, 89 para uso agrícola, 45 para industrial, 22 para lazer e hotelaria e 18 para uso público.

A erupção obrigou até agora a evacuação de 6.400 pessoas, 5.700 na primeira fase da erupção e outras 700 na terça-feira, mas do total são cerca de 6.000 residentes e 400 turistas que foram transferidos para Tenerife.

Dos desabrigados, 280 pessoas estão alojadas em um hotel no município de Fuencaliente.

No que se refere à qualidade do ar, nas últimas horas os parâmetros encontram-se dentro dos limites da normalidade, exceto por um específico “pequeno pico” de dióxido de enxofre que foi imediatamente remetido, estando o aeroporto da ilha, como o de todas as Canárias, em pleno funcionamento.

As previsões do tempo sugerem que esta operação aérea não será afetada pelo menos nos próximos quatro dias, porque um vento saariano soprará do continente que direcionará as cinzas para o oeste.

No entanto, o ar seco e uma provável inversão térmica podem ser desfavoráveis ​​para a qualidade do ar nos dias 15 e 16 de outubro.

Na cratera, a única notícia é que uma emissão foi reativada no flanco sudeste que não gerou novos fluxos.

Dada a divulgação de algumas informações sobre a situação em La Palma, Miguel Ángel Morcuende insistiu que a erupção vulcânica afeta apenas 8 por cento da superfície de La Palma, de modo que o resto da ilha é totalmente seguro e pode desenvolver atividades turísticas normalmente.

Salientou ainda que a estabilidade geológica da construção da ilha é “absoluta” e que o peixe tem a mesma qualidade de sempre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *