General dos EUA afirma opção militar preparada caso as negociações com o Irã fracassem

Compartilhe

Mais de uma semana antes das potências mundiais retomarem as negociações sobre o programa nuclear do Irã, o principal comandante dos EUA no Oriente Médio disse que suas forças estão prontas com uma opção militar potencial caso as negociações fracassem.

“Nosso presidente disse que eles não terão uma arma nuclear”, disse o general Kenneth McKenzie, comandante do Comando Central dos EUA, à TIME. “Os diplomatas estão na liderança nisso, mas o Comando Central sempre tem uma variedade de planos que poderíamos executar, se instruídos.”

Os negociadores iranianos devem se reunir com seus homólogos europeus, russos e chineses em Viena no dia 29 de novembro para discutir a possibilidade de frear o programa em troca de flexibilização das sanções internacionais. Os EUA não participarão das negociações a pedido do Irã, e as autoridades americanas alertaram repetidamente que o tempo está se esgotando para restaurar o acordo nuclear multilateral de 2015, conhecido formalmente como Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA).

O presidente Joe Biden deixou claro que os EUA não desejam se envolver em mais uma guerra desestabilizadora no Oriente Médio, mas funcionários da Casa Branca, do Pentágono e do Departamento de Estado trabalharam para desenvolver as chamadas opções do “Plano B” caso a diplomacia fracasse e o Irã opta por construir a bomba, abrangendo desde sanções adicionais até ações militares.

O Irã está agora mais adiantado do que nunca em seu programa de armas nucleares, produzindo estoques de urânio enriquecido com 60% de pureza, aproximando-se mais de 90% de material para armas, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão fiscalizador da ONU. McKenzie acredita que Teerã não tomou a decisão de prosseguir com a fabricação de uma ogiva real, mas ele compartilha as preocupações com os aliados da América no Oriente Médio sobre o progresso que o Irã fez.

“Eles estão muito próximos desta vez”, diz McKenzie. “Acho que eles gostam da ideia de serem capazes de fugir”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *