Pfizer acusa funcionário de roubar documentos confidenciais sobre sua vacina contra o Coronavírus

Compartilhe

A empresa farmacêutica Pfizer apresentou uma queixa na terça – feira contra um funcionário que a acusa de roubar mais de 12.000 arquivos da empresa,  incluindo materiais secretos sobre sua vacina COVID-19.

Chun Xiao Li supostamente violou seu acordo de confidencialidade ao enviar milhares de documentos do computador de sua empresa para uma conta do Google Drive sem permissão. Esses arquivos incluíam  materiais confidenciais relacionados à vacina contra coronavírus  desenvolvida pela Pfizer em colaboração com a biotecnologia alemã BioNTech, bem como estudos sobre anticorpos monoclonais usados ​​em tratamentos de câncer.

A empresa afirma que a funcionária tentou várias vezes encobrir suas ações  e até entregou um computador “chamariz” para desviar e obstruir a investigação .

De acordo com o farmacêutico, o réu “enganou a Pfizer sobre o que levou, como levou, quando e por que levou e onde esses arquivos (e possivelmente outros) podem ser encontrados”.

Vale ressaltar que Li está renunciando ao cargo após 15 anos de atuação na empresa. Segundo sua correspondência pessoal, ela recebeu uma oferta de emprego  da Xencor, empresa especializada em tratamentos farmacêuticos para câncer e doenças autoimunes , para a qual ele planejava começar a trabalhar a partir de 29 de novembro. A Xenor se recusou a comentar o assunto com a imprensa, enquanto a Pfizer observou que as empresas  rivais tentaram “implacavelmente” atrair seus funcionários , especialmente neste ano de 2021.

O juiz encarregado do caso emitiu uma ordem de restrição temporária na terça  feira que proíbe Li de usar, divulgar, transmitir ou adulterar quaisquer segredos comerciais da Pfizer em sua posse. Para prorrogar a liminar, o assaltado marcou audiência para o dia 9 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *