A Turquia concordou em apoiar as candidaturas de Finlândia Suécia adesão à OTAN. Aqui está os próximos passos

Compartilhe

A Finlândia e a Suécia estão prestes a acabar com décadas de neutralidade juntando-se à OTAN, uma evolução dramática na segurança e geopolítica europeias desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

As duas nações nórdicas há muito mantinham a aliança militar à distância, mesmo enquanto observavam a Rússia a leste com cautela.

Mas o ataque de Moscou à Ucrânia despertou preocupação de segurança renovada em toda a região, e os líderes de cada país sinalizaram seu desejo de se juntar ao bloco após mais de 75 anos de não-alinhamento militar.

Aqui está o que você precisa saber sobre como a guerra na Ucrânia causou a mudança e o que vem a seguir.

A Otan tem o que chama de “política de portas abertas” para novos membros – qualquer país europeu pode solicitar a adesão, desde que atenda a certos critérios e todos os membros existentes concordem.

Um país não se “candidata” tecnicamente para aderir; O Artigo 10 de seu tratado fundador estabelece que, uma vez que uma nação tenha manifestado interesse, os estados membros existentes “podem, por acordo unânime, convidar qualquer outro Estado europeu em posição de promover os princípios deste Tratado … a aderir”.

Diplomatas da Otan disseram à Reuters que a ratificação de novos membros pode levar um ano, já que as legislaturas de todos os 30 membros atuais devem aprovar novos candidatos.

Tanto a Finlândia como a Suécia já cumprem muitos dos requisitos de adesão,  que incluem  ter um sistema político democrático funcional baseado numa economia de mercado; tratar as populações minoritárias de forma justa; comprometendo-se a resolver conflitos pacificamente; a capacidade e vontade de fazer uma contribuição militar para as operações da OTAN; e comprometer-se com as relações e instituições democráticas civis-militares.

O processo não foi sem obstáculos; O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse na sexta-feira que não está olhando para os dois países se juntarem à Otan “positivamente”, acusando-os de abrigar “organizações terroristas” curdas. Mas na terça-feira, ele deu seu apoio às propostas das nações na cúpula da Otan em Madri, na Espanha.

Os Estados Unidos e o Reino Unido manifestaram o seu apoio à sua candidatura à adesão.

O que implica a adesão à OTAN?

A razão pela qual a maioria dos países aderiu à OTAN é por causa do  Artigo 5  do Tratado do Atlântico Norte, que estipula que todos os signatários consideram um ataque a um ataque contra todos.

O Artigo 5 tem sido a pedra angular da aliança desde que a OTAN foi fundada em 1949 como um contrapeso à União Soviética.

O objetivo do tratado, e do Artigo 5 especificamente, era impedir os soviéticos de atacarem democracias liberais sem força militar. O Artigo 5 garante que os recursos de toda a aliança – incluindo as forças armadas maciças dos EUA – podem ser usados ​​para proteger qualquer nação membro, como países menores que estariam indefesos sem seus aliados. A Islândia, por exemplo, não tem exército permanente.

O ex-líder sueco Carl Bildt disse à CNN Internacional que não vê novas grandes bases militares sendo construídas em nenhum dos países se eles se juntarem à Otan. Ele disse que ingressar na aliança provavelmente significaria mais treinamento e planejamento militar conjunto entre Finlândia, Suécia e os 30 membros atuais da Otan. As forças suecas e finlandesas também podem participar de outras operações da OTAN em todo o mundo, como as dos Estados Bálticos, onde várias bases têm tropas multinacionais.

Vale a pena notar que a Rússia criticou a decisão da Finlândia e da Suécia de aderir à OTAN. Seu vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, disse na segunda-feira que a medida seria um “erro” com “consequências de longo alcance”, segundo a agência de notícias estatal TASS.

A Rússia atualmente compartilha cerca de 755 milhas de fronteira terrestre com cinco membros da OTAN, de acordo com a aliança. A adesão da Finlândia significaria que uma nação com a qual a Rússia compartilha uma fronteira de 830 milhas se tornaria formalmente alinhada militarmente com os Estados Unidos.

A adição da Finlândia e da Suécia também beneficiaria a aliança, o que frustraria a Rússia. Ambos são potências militares sérias, apesar de suas pequenas populações.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse na segunda-feira que “a Rússia não tem problemas com esses Estados”, acrescentando que a expansão da Otan “não representa uma ameaça direta à Rússia”.

“Mas a expansão da infraestrutura militar neste território certamente causará nossa resposta”, acrescentou ele na Organização do Tratado de Segurança Coletiva em Moscou. “Vamos ver o que será com base nas ameaças que serão criadas para nós.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.