Aeroporto de Taiwan reforça a segurança devido à ameaça de bomba antes da esperada visita de Pelosi

Compartilhe

O Aeroporto Internacional de Taoyuan, em Taiwan, supostamente reforçou suas medidas de segurança na terça-feira depois de receber uma ameaça de bomba antes da esperada visita da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, de acordo com a agência de notícias Focus Taiwan.

Uma carta ameaçadora teria sido enviada às autoridades aeroportuárias na manhã de terça-feira e alegava que três bombas haviam sido plantadas nas instalações do aeroporto para impedir que Pelosi visitasse a ilha autônoma. As autoridades entraram em contato com o Departamento de Polícia de Aviação, que desde então designou uma equipe especial para reforçar a segurança no aeroporto e garantir a segurança dos voos.

Pelosi supostamente planeja viajar para Taiwan na terça-feira para se encontrar com a presidente Tsai Ing-wen no dia seguinte. O funcionário está atualmente em uma turnê pela região asiática, visitou Cingapura na segunda-feira e deve realizar reuniões de alto nível na Malásia, Coréia do Sul e Japão. Uma visita a Taiwan não estava em seu itinerário oficial antes da turnê.

A China alertou repetidamente que a visita de Pelosi a Taiwan seria vista por Pequim como uma “interferência grosseira nos assuntos internos da China” e o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país, Zhao Lijian, afirmou que “o Exército de Libertação do Povo Chinês nunca ficará de braços cruzados”. 

No entanto, um alto funcionário do governo taiwanês não identificado e um funcionário dos EUA disseram à CNN Internacional na segunda-feira que Pelosi deveria realmente fazer uma viagem à ilha, o que marcaria a primeira vez que um presidente da Câmara viajaria para a ilha autônoma em 25 anos. 

A Casa Branca ainda não confirmou sua visita a Taipei, mas o secretário de Estado Antony Blinken insistiu que a “decisão é inteiramente do presidente” e que o governo não sabe o que Pelosi pretende fazer.

Taiwan, que se autodenomina oficialmente República da China (ROC), é autogovernada desde 1949, mas nunca declarou oficialmente a independência de Pequim.

Apesar de reconhecer Pequim como a única autoridade legítima na China desde 1979, os EUA mantêm fortes laços não oficiais com a ilha, vendendo armas de última geração para Taipei e apoiando sua pressão pela soberania, para desgosto das autoridades chinesas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.