Alexander Lukashenko, alerta que o mundo está no abismo de uma ‘grande guerra’

Compartilhe

O presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, um grande aliado do presidente russo Vladimir Putin , alertou na terça-feira que as políticas ocidentais estão aproximando o mundo do “abismo de uma grande guerra” que não terá vencedores.

A agência de notícias estatal da Bielorrússia BelTA informou que Lukashenko fez os comentários durante uma cerimônia em homenagem aos graduados das escolas militares e oficiais de alta patente. Durante seus comentários, o líder também afirmou que os Estados Unidos estão por trás do esforço para que os membros da OTAN minar o poder e a segurança de nações como Bielorrússia e Rússia.

Putin e Lukashenko são aliados próximos há anos, e Lukashenko tem sido um defensor vocal da guerra de Putin na Ucrânia. Em março, ele disse durante uma entrevista a uma emissora de TV japonesa que o Ocidente provocou a guerra e que seria “ benéfica para os americanos ”. Lukashenko também alertou sobre as maiores ramificações do conflito na Ucrânia. Em uma carta enviada ao secretário-geral das Nações Unidas , António Guterres, em maio, ele disse que as contribuições internacionais para a segurança da Ucrânia podem levar a outra guerra mundial .

“Os países ocidentais, abertamente administrados pelos Estados Unidos, estão desmantelando o sistema de segurança global de forma constante, metódica e até mesmo contra seus próprios interesses nacionais e os desejos de [suas] populações”, disse Lukashenko durante seu discurso de terça-feira, segundo uma tradução da agência de notícias estatal russa Tass.

Ele acrescentou: “Infelizmente, esta política ocidental está aproximando o mundo do abismo de uma grande guerra onde, como você sabe, não haverá mais um vencedor”.

Lukashenko também teria protestado contra “cruzados recém-criados” da OTAN que “de repente decidiram que este é o momento certo para mais um ‘ataque ao leste’, esquecendo como empreendimentos semelhantes terminaram para seus antecessores históricos”.

Lukashenko também fez alegações infundadas sobre os interesses americanos, levando as forças militares a serem construídas com “ideologia neonazista”, observando que “regimes abertamente fascistas estão sendo apoiados em países indesejáveis”, relatou Tass. Desde o início da invasão da Ucrânia por Putin no final de fevereiro, o Kremlin tem feito repetidas alegações de que uma das justificativas para o conflito é seu objetivo de “desnazificar” o país.

BelTA informou que Lukashenko disse que o Ocidente está desenvolvendo planos para atacar a Rússia.

“Planos estratégicos para atacar a Rússia estão sendo desenvolvidos recentemente. O presidente da Federação Russa e eu discutimos em detalhes ontem. E a principal direção do ataque passará pela Ucrânia e Bielorrússia. A história está se repetindo”, disse o presidente bielorrusso, de acordo com BelTA.

Lukashenko também discutiu os movimentos recentes para a Suécia e a Finlândia se tornarem membros da OTAN e deu a entender que a aliança está tentando aumentar seu poder.

“Os neutros Suécia e Finlândia de repente expressaram o desejo de aderir urgentemente à OTAN, e o bloco, contrariando suas regras, está pronto para admiti-los na aliança de maneira expedita – lembre-se, sem sequer pedir a opinião dos povos de esses países”, disse ele, segundo o BelTA. “Na recente cúpula, a Otan anunciou intenções de fortalecer criticamente sua presença e influência na Europa.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.