Após prisão de Ribeiro, Silas Malafaia e outros líderes evangélicos defendem presidente Bolsonaro

Compartilhe

Lideranças da bancada evangélica e pastores saíram em defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL), após seu ex-ministro da Educação Milton Ribeiro ter sido preso nesta quarta-feira por suspeitas de envolvimento em corrupção e tráfico de influência durante sua passagem pelo governo. Aliado de Bolsonaro, o pastor Silas Malafaia afirmou que Ribeiro “não representa” os evangélicos e negou que o caso possa respingar no presidente.

“Milton não é indicação da bancada evangélica. E mesmo se fosse o caso, não somos responsáveis por adultos. Nós queremos investigação. E se ele deve que pague”, disse ao GLOBO o líder da igreja da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Malafaia argumentou ainda que Bolsonaro não pode ser responsabilizado pelo caso, pois ele não controla tudo que acontece nas estruturas de seu governo.

“Acredito, sinceramente, que deve ter em algum outro canto do governo algum caso de corrupção. Agora, minha questão é a seguinte: o presidente deu algum aval, recebeu algo? Não.Tanto que o cara (Ribeiro) é ex-ministro”, completou.

Presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), classificou a prisão como “triste episódio”, porém, elogiou a postura de Bolsonaro em relação ao episódio.

“Desde a minha primeira entrevista e declarações sobre esse triste episódio eu disse: afasta-se, investiguem e se for culpado que seja exemplarmente punido ao rigor da lei. Parabéns ao governo do presidente Jair Bolsonaro que agiu assim!”, publicou Sóstenes em suas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.