Arroz pode ser o próximo alimento a ter preço mundial disparado, preveem especialistas

Compartilhe

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostra que os preços internacionais do arroz sobem  pelo quinto mês consecutivo . De acordo com os últimos dados de maio fornecidos pela agência, o preço atingiu seu máximo em 12 meses,  informa a  CNBC.

Sonal Varma, diretor-gerente e economista-chefe do banco japonês Nomura Holdings, disse que, embora a produção de arroz continue abundante, o aumento dos preços do trigo e os custos agrícolas geralmente mais altos exigem monitoramento dos preços do trigo no futuro. Dessa forma, um aumento nos preços do trigo poderia levar ao aumento da demanda por arroz, reduzindo os estoques atuais.

Os preços de muitos alimentos, de trigo e outros grãos a carnes e óleos, dispararam. Isso foi impulsionado por vários fatores, incluindo o aumento do custo de fertilizantes e energia no ano passado, bem como a guerra Rússia-Ucrânia. Existem diferentes países produtores afetados por proibições de exportação de alimentos e graves interrupções, como Índia (trigo), Ucrânia (trigo, aveia e açúcar, entre outros) e Indonésia (óleo de palma).

Frederique Carrier, diretora-gerente e chefe de estratégia de investimento da RBC Wealth Management, argumenta que o Índice de Preços de Alimentos da ONU mostra que os  preços estão 75% acima dos níveis pré-pandemia . 

O protecionismo seria outro dos gatilhos

Índia e China são os dois principais produtores de arroz do mundo e ocupam mais da metade do mercado internacional, segundo o Fórum Econômico Mundial.

Medidas protecionistas “na verdade piorariam as pressões de preços globalmente por várias razões”, diz Varma. Os custos de alimentos e fertilizantes para a agricultura já estão subindo, e os preços da energia estão aumentando os custos de frete, acrescentou. “Portanto, existe o risco de vermos mais protecionismo dos países”, disse ele.

Varma disse que os riscos para o arroz permanecem baixos, já que os estoques globais são amplos e as colheitas indianas devem ser boas neste verão.

Nesse contexto, é muito mais preocupante que a Índia  imponha  uma proibição à exportação de arroz nas próximas semanas, como pensavam depois do trigo e do açúcar.

Um aumento nos preços do arroz afetaria severamente muitas pessoas na Ásia, que é o maior consumidor do alimento básico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.