Chefe das IDF alerta que Israel pode ser obrigado a atacar o Irã, após país afirmar que tem capacidade de produzir uma Bomba Atômica

Compartilhe

O chefe do Exército, Aviv Kohavi, disse no domingo que é “obrigação moral” de Israel preparar uma resposta militar contra o programa nuclear iraniano, horas depois que um alto funcionário iraniano disse que seu país tem a capacidade de produzir uma arma.

À luz da crescente incerteza em relação ao retorno do Irã ao acordo nuclear de 2015 devido a negociações há muito paralisadas com as potências mundiais, no ano passado as Forças de Defesa de Israel aumentaram seus esforços para preparar uma ameaça militar confiável contra as instalações nucleares de Teerã.

Em um discurso em uma cerimônia que marcou a mudança do chefe do Comando da Frente Interna dos militares, Kohavi disse: “Preparar a frente interna para a guerra é uma tarefa que deve ser acelerada nos próximos anos, especialmente diante da possibilidade de que seremos obrigados agir contra a ameaça nuclear”.

“As IDF continuam a se preparar vigorosamente para um ataque ao Irã e devem se preparar para todos os desenvolvimentos e todos os cenários”, disse ele.

Kohavi disse que “preparar uma opção militar contra o programa nuclear iraniano é uma obrigação moral e uma ordem de segurança nacional”, acrescentando que tal preparação está “no centro” dos preparativos da IDF e inclui “uma variedade de planos operacionais, a alocação de muitos recursos, a aquisição de armas apropriadas, inteligência e treinamento.”

No mês passado, dezenas de caças da Força Aérea de Israel realizaram manobras aéreas sobre o Mar Mediterrâneo, simulando ataques a instalações nucleares iranianas.

O Irã está no meio de negociações para salvar um acordo fracassado de 2015 que assinou com as potências mundiais que deveria impedi-lo de produzir uma arma nuclear. O chamado Plano de Ação Abrangente Conjunto ofereceu ao Irã alívio das sanções em troca de restrições em seu programa nuclear.

No entanto, em 2018, o governo Trump retirou-se do pacto – dizendo que não foi longe o suficiente para impedir que o Irã produzisse armas nucleares e também devido a suas preocupações com o programa de desenvolvimento de mísseis do Irã. As negociações patrocinadas pela Europa para trazer os EUA de volta ao JCPOA estão paralisadas há meses e outra rodada recente de negociações entre o Irã e os EUA no Catar também não conseguiu avançar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.