China admite que guerra na Ucrânia é na verdade “entre a Rússia e a OTAN, liderada pelos EUA”

Compartilhe

O porta-voz diplomático de Pequim recomendou que os europeus reflitam sobre os benefícios que tiram das hostilidades.

A guerra no território da Ucrânia “pode ​​parecer entre a Rússia e a Ucrânia, mas na realidade é entre a Rússia e a NATO, liderada pelos EUA”, considera o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian.

Os europeus devem “refletir sobre quem está se beneficiando desta guerra, qual parte se tornou um campo de batalha e quem sofreu as maiores perdas “, sugeriu ele em  entrevista coletiva na  sexta-feira. Zhao espera que essas reflexões permitam à União Europeia valorizar a posição independente da China e o “papel crucial para a paz, estabilidade e desenvolvimento no mundo” das relações sino-europeias.

O diplomata abordou separadamente o papel dos Estados Unidos nos acontecimentos internacionais em torno da Ucrânia, lembrando que o país norte-americano “não cumpriu as suas garantias e promoveu continuamente  a expansão da NATO  para leste, o que o torna, sem dúvida, responsável pela eclosão da crise na Ucrânia”.

“Enquanto a ONU e a comunidade internacional pedem que o conflito termine logo, os EUA continuam a colocar lenha na fogueira , pedindo uma luta ‘até o último ucraniano'”, uma posição que  já havia sido denunciada  por Moscou. O envio de armas para a Ucrânia, salientou, não visa alcançar a paz, mas sim a continuação do conflito “para que a Rússia se enfraqueça”.

Zhao também comparou as perdas econômicas que a Europa enfrenta com os ganhos no setor de armas e comércio nos EUA. Ele destacou o crescimento de 44,7% dos preços da energia na zona do euro em relação ao ano passado, a inflação crescente e o crescente impacto “no mercado vida das pessoas comuns”. “No entanto”, disse ele, “os negociantes e comerciantes de armas e grãos dos EUA estão obtendo lucros enormes”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.