China ordena que os cristãos derrubem cruzes, imagens de Jesus; adorar líderes comunistas não a Deus

Compartilhe

Em meio ao surto de coronavírus, os pobres moradores da China foram condenados a renunciar à sua fé e substituir as exibições de Jesus por retratos do presidente Mao e do presidente Xi Jinping ou correr o risco de perder seus benefícios sociais.

A revista de liberdade religiosa Bitter Winter relata que, em abril, funcionários do Partido Comunista da China visitaram as casas dos fiéis em Linfen, uma cidade no nível da prefeitura da província de Shanxi, no norte. Enquanto estiveram lá, eles ordenaram que os residentes que recebem pagamentos de assistência social do governo substituíssem cruzes, símbolos religiosos e imagens em suas casas por retratos dos líderes comunistas da China.

Se os cristãos resistissem à ordem, as autoridades anularam seus subsídios.

“Todas as famílias pobres da cidade foram instruídas a exibir imagens de Mao Zedong”, disse um pastor local ao Bitter Winter. “O governo está tentando eliminar nossa crença e quer se tornar Deus em vez de Jesus.”

Um membro de uma igreja Three-Self patrocinada pelo estado em uma das aldeias contou como as autoridades locais destruíram todas as imagens religiosas e um calendário com uma imagem de Jesus em sua casa e publicaram um retrato de Mao Zedong. 

“As famílias religiosas empobrecidas não podem receber dinheiro do Estado por nada – elas devem obedecer ao Partido Comunista pelo dinheiro que recebem”, afirmou o crente, segundo um funcionário. 

Em maio, um funcionário da província de Shandong, no leste, invadiu a casa de um cristão local. Enquanto estavam dentro da casa dos cristãos, o oficial publicou retratos de Mao Zedong e Xi Jinping e disse: “Esses são os maiores deuses. Se você quer adorar alguém, eles são os únicos. “

Em abril, o governo da cidade de Xinyu, na província de Jiangxi, no sudeste, cancelou o subsídio mínimo de vida de um cristão com deficiência e um subsídio mensal de incapacidade mensal de 100 RMB (cerca de US $ 14), porque o crente continuava a participar dos cultos, apesar das ordens do governo. 

Da mesma forma, no condado de Poyang, em Jiangxi, uma mulher cristã na faixa dos 80 anos foi removida da lista de ajuda do governo porque disse “Graças a Deus” depois de receber seu subsídio mensal de 200 RMB (cerca de US $ 28) em meados de janeiro. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *