China realiza ‘patrulha de prontidão’ militar em torno de Taiwan

Compartilhe

O Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) organizou uma patrulha conjunta de sua frota de aviação e naval na área de Taiwan, disse o porta-voz do Comando do Teatro Oriental da China, Shi Yi, na quarta-feira.

Segundo o porta-voz, citado pelo site oficial militar do país, a unidade de patrulha foi criada “recentemente” e tem como objetivo a “prontidão de combate de múltiplos serviços no espaço marítimo e aéreo”.

A medida tem a ver com a tensão observada ultimamente em torno da ilha, considerada por Pequim como parte integrante da China. O PLA mais uma vez prometeu combater qualquer tentativa de tornar Taiwan independente.

“As tropas do Teatro [oriental] continuam a fortalecer seu treinamento e preparativos militares, melhorar sua capacidade de realizar suas missões e impedir resolutamente qualquer interferência de forças externas e tentativas separatistas”, disse o comunicado.

Na segunda-feira, o Ministério da Defesa de Taiwan informou que 30 aeronaves militares chinesas entraram na parte sudoeste de sua zona de identificação de defesa aérea (ADIZ). Esta é a maior entrada de aviões de Pequim para aquela área desde 23 de janeiro passado, quando Taipei  relatou  a incursão de 39 aeronaves .

Um dia depois, na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, alertou  que “os EUA se prejudicarão” se não mudarem sua posição sobre Taiwan e aderirem ao princípio de uma só China. “As relações sino-americanas  não podem se deteriorar mais . A decisão certa deve ser tomada: corrigir a cognição estratégica e abandonar a mentalidade da Guerra Fria, consolidar a base política e lidar adequadamente com as diferenças, sair da lógica da competição e melhorar as trocas e a cooperação”, Wang disse em seu discurso.

Embora Washington não reconheça Taiwan —que se governa desde 1949 com administração própria, como um país independente—, mantém uma política de ambiguidade estratégica em relação à ilha, reservando-se o direito de manter relações especiais com Taipei, que, em sua opinião, , toma suas próprias decisões. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.