Confrontos eclodem em Jerusalém na Mesquita de Al-Aqsa enquanto palestinos lançam coquetéis molotov; veja vídeos

Compartilhe

Confrontos menores foram relatados no Monte do Templo de Jerusalém e na Mesquita de Al-Aqsa na manhã de quarta-feira entre a polícia israelense e os palestinos, com tensões aumentadas na cidade antes de uma marcha de direita planejada que não foi aprovada pelas autoridades.

Vídeos do monte mostraram pedras e coquetéis molotov sendo arremessados ​​contra policiais, inclusive de dentro de Al-Aqsa.

Várias bombas incendiárias provocaram pequenos incêndios em uma mesquita e um tapete na entrada. Estes foram lançados. Os confrontos foram limitados em escopo.

“A violência põe em perigo os fiéis que tentam entrar na mesquita e impediu os esforços da polícia para garantir a liberdade de culto no local”, disse o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

“Os coquetéis molotov incendiaram um tapete e uma janela, causando incêndios que felizmente foram extintos antes que maiores danos fossem causados”, acrescentou.

Os confrontos ocorreram quando várias centenas de peregrinos judeus, escoltados pela polícia, visitaram o local sagrado.

De acordo com um grupo ativista judeu do Monte do Templo que incentiva as visitas ao local, na quarta-feira dizem 1.538 visitantes judeus, um recorde diário para um feriado.

A mídia hebraica informou que três homens judeus foram presos depois de ignorar as instruções da polícia e tentar rezar, o que é proibido para os judeus.

Os não-muçulmanos devem ser proibidos de visitar o complexo a partir de sexta-feira até o final do Ramadã em 2 de maio, de acordo com a política de longo prazo.

A proibição de 10 dias deste ano para visitantes não-muçulmanos é vista como parte do status quo no Monte do Templo, que permite que os muçulmanos visitem e rezem, enquanto os judeus só podem visitar durante horários limitados e não podem orar. O local é o lugar mais sagrado para os judeus como a localização dos templos bíblicos, e a Mesquita Al-Aqsa, que fica no topo do Monte do Templo, é o terceiro local mais sagrado para os muçulmanos.

Enquanto isso, ativistas judeus de direita prometeram seguir em frente com planos de marchar pela Cidade Velha de Jerusalém, apesar da polícia dizer que havia rejeitado a rota planejada do desfile.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.