Espanha, Itália, Suécia, e Dinamarca expulsam diplomatas da Rússia em meio a morte de civis em Bucha

Compartilhe

Madri decidiu expulsar uma série de diplomatas russos anunciou nesta terça-feira o ministro das Relações Exteriores do país, José Manuel Albares.

“Decidimos expulsar da Espanha diplomatas russos e funcionários da Embaixada da Federação Russa na Espanha que representam uma ameaça à segurança de nosso país, e também após as terríveis ações realizadas na Ucrânia nos últimos dias, especialmente em Bucha, ” , anunciou o ministro das Relações Exteriores em entrevista coletiva.

“Estamos falando de cerca de 25 pessoas. Estamos terminando a lista agora […] e talvez haja mais alguém”, disse Albares.

 Itália expulsa 30 diplomatas russos

A Itália notificou a Embaixada da Rússia da expulsão de 30 diplomatas do país, anunciou nesta terça-feira o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi di Maio.

O embaixador russo, Sergei Rázov, foi convocado esta manhã e informado da decisão, indica o jornal Il Foglio, citando o chanceler italiano. Por sua vez, a agência ANSA detalha que o pretexto para a medida foi “razões de segurança nacional”.

A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Ann Linde, anunciou em uma entrevista coletiva na terça-feira a decisão de expulsar três membros da Embaixada da Rússia em Estocolmo, informou a mídia local .

Segundo Linde, esses funcionários não agiram de acordo com a Convenção de Viena e realizaram atividades ilegais de inteligência no país.

Suécia expulsa três diplomatas da Embaixada da Rússia em Estocolmo

A Suécia não descarta que a medida possa afetar mais membros do corpo diplomático russo e está avaliando a possibilidade de retirar pessoal de seus escritórios em Moscou e São Petersburgo. Da mesma forma, o embaixador russo foi convocado pelo Ministério das Relações Exteriores, detalhou o chefe da diplomacia sueca.

Dinamarca anuncia expulsão de 15 diplomatas russos

O ministro das Relações Exteriores da Dinamarca, Jeppe Kofod, informou na terça-feira a decisão de expulsar 15 diplomatas russos. A decisão parece estar ligada ao assassinato de civis na cidade ucraniana de Bucha, que as autoridades locais atribuem a soldados russos, enquanto Moscou afirma que foi uma provocação.

De acordo com um comunicado oficial do Ministério das Relações Exteriores da Dinamarca, os indivíduos afetados são oficiais de inteligência da Embaixada da Rússia em Copenhague, que receberam 14 dias para deixar o território .

“Com esta decisão, enviamos um sinal claro a Moscou de que não aceitaremos oficiais de inteligência russos espionando solo dinamarquês. Eles representam um risco à nossa segurança nacional que não podemos ignorar”, disse Kofod.

Ao mesmo tempo, a Dinamarca assegurou em seu comunicado que não quer romper as relações diplomáticas com a Rússia , razão pela qual tanto o embaixador russo quanto o restante dos membros de sua sede diplomática não serão afetados pela decisão.

“O embaixador russo é nosso principal canal para comunicar mensagens claras diretamente ao Kremlin. Optamos por isso várias vezes recentemente, principalmente para enfatizar a forte condenação da Dinamarca ao ataque completamente inaceitável da Rússia à Ucrânia”, conclui a carta.

 Assim, na segunda-feira medidas semelhantes foram anunciadas pela França , Alemanha , Lituânia e Letônia . Hoje, eles se juntaram à Dinamarca , Itália e Suécia .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.