EUA alertam a China que defenderá as Filipinas, no caso de um “ataque” no Mar do Sul da China e Pequim responde

Compartilhe

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, exortou a China a abandonar suas reivindicações ao Mar da China Meridional e aceitar uma decisão territorial de 2016 em favor das Filipinas, alertando que Washington  será obrigado a defender seu aliado do Pacífico no caso de um ataque” em águas disputadas, relata a AP .

Em um comunicado divulgado terça-feira pela Embaixada dos EUA em Manila, o alto funcionário afirmou que o gigante asiático deve “cumprir suas obrigações sob o direito internacional e cessar seu comportamento provocativo “. Nessa ordem, ele citou a decisão de um tribunal de arbitragem em Haia que invalidou as extensas reivindicações de Pequim sobre a região. 

“Reafirmamos que um ataque armado contra as forças armadas filipinas, embarcações públicas ou aeronaves no Mar da China Meridional invocaria os compromissos mútuos de defesa dos Estados Unidos”, segundo um tratado de defesa assinado em 1951 por ambas as nações, disse Blinken.

Resposta chinesa

Por sua vez, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, qualificou a decisão do tribunal como ” ilegal, nula e sem efeito “, ao mesmo tempo em que afirmou que Washington usou a decisão para “abrir uma lacuna entre os países da região e minar a paz”. e estabilidade.

“A China não aceita ou reconhece isso, e nunca aceitará qualquer reclamação ou ação com base nesse prêmio. Ao fazer isso, estamos defendendo o estado de direito internacional”, enfatizou durante uma entrevista coletiva na quarta-feira. Além disso, ele pediu aos EUA  que “respeitem a soberania, os direitos e os interesses da China no Mar da China Meridional, parem de causar problemas e parem de usar a questão do Mar da China Meridional para semear a discórdia”.

Comentarios de Filipinas

Por sua vez, o secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Enrique Manalo, considerou a decisão “indiscutível”, e afirmou que o governo nacional recém-eleito vai insistir no cumprimento.

“Essas decisões não estão mais ao alcance de negação e refutação. Elas são conclusivas, porque são indiscutíveis. A sentença é final”, disse ele em comunicado. ” Rejeitamos firmemente as tentativas de miná-lo […] até mesmo apagá-lo da lei, da história e de nossa memória coletiva”, acrescentou, sem citar diretamente a China.

  • Pequim não participa do tribunal desde 2016, que acabou ficando do lado de Manila depois de contestar as reivindicações chinesas ao mar. Várias outras nações, como Vietnã, Brunei e Malásia, também mantêm reivindicações conflitantes na região.
  • Desde que o presidente dos EUA, Joe Biden, assumiu o cargo no ano passado, o Pentágono realizou viagens navais quase mensais pelo Mar do Sul da China, incluindo o disputado Estreito de Taiwan, enviando vários navios de guerra para a área, apesar das repetidas advertências de Pequim. Uma das batidas ocorreu nesta quarta-feira. A China então alegou  que “expulsou” um destróier de mísseis guiados dos EUA que “invadiu ilegalmente as águas territoriais chinesas”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.