EUA apoiam Ucrânia contra Rússia com ataques cibernéticos

Compartilhe

O chefe do Comando Cibernético dos EUA (USCC), general Paul Nakasone, admitiu que seus subordinados foram destacados na Ucrânia antes da guerra e que realizaram várias operações contra a Rússia após 24 de fevereiro, quando começou ainvasão militar russa, mesmo embora não estivessem no chão.

“Realizamos uma série de operações em todo o espectro: operações ofensivas, defensivas e de informação”,   disse Nakasone à Sky News na quarta-feira Ele especificou que as ações do USCC foram legais e supervisionadas pelas autoridades militares e civis superiores dos Estados Unidos.

Da mesma forma, as tropas de comando de Nakasone foram implantadas na Ucrânia pouco antes do início do conflito russo-ucraniano. Lá, eles realizaram operações do tipo ‘caça à frente’, que prevêem a identificação de atividades maliciosas que ameaçam os EUA e o estado parceiro.

“Fomos em dezembro de 2021 a convite do governo de Kyiv para ‘caçar’ com eles. Ficamos lá por um período de quase 90 dias”, disse o general, mas especificou que a equipe deixou o país em fevereiro.

Quanto às operações informáticas norte-americanas, Nakasone sustentou que diferem das russas porque pretendem dizer a verdade. Ele citou como exemplo a suposta criação de “fazendas de trolls” russas na África em 2020. O USCC compartilhou informações sobre essa ação com o FBI e a CNN, disse ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.