EUA e Israel assinam um compromisso de segurança para “nunca permitir que o Irã tenha uma Bomba Nuclear

Compartilhe

“Não haverá um Irã nuclear. Isso não seria apenas uma ameaça para Israel, mas para o mundo”, disse o primeiro-ministro israelense Yair Lapid.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, assinaram nesta quinta-feira uma declaração conjunta de associação estratégica, que reafirma os “laços inquebráveis” entre as duas nações em termos de segurança e compromete Washington a manter A “vantagem militar qualitativa” de Tel Aviv, fortalecendo suas capacidades de dissuasão e defesa contra seus inimigos.

No quadro do apoio prometido, o documento nomeia o Irã, indica-o como potencial agressor e faz referência ao seu programa nuclear. Nesse contexto, os EUA falam em trabalhar com outros parceiros para “enfrentar as atividades de agressão e desestabilização” da república islâmica, “seja ela diretamente, seja por meio de procuradores e organizações terroristas como Hezbollah, Hamas e Jihad Islâmica Palestina”. .

“Os Estados Unidos sublinham que é parte do compromisso de nunca permitir que o Irã tenha uma arma nuclear e que estão dispostos a usar todos os elementos de seu poder nacional para garantir esse resultado”, disse o comunicado. “Não haverá um Irã nuclear. Isso não seria apenas uma ameaça para Israel, mas para o mundo”, disse Lapid

O país norte-americano contribuirá para a busca de “assistência adicional de defesa antimísseis”, além do que foi acordado entre os dois países no memorando de entendimento de assistência à segurança (MOU) de 2016. Além disso, ambos expressaram entusiasmo em avançar em suas cooperação em tecnologias de defesa de ponta , incluindo sistemas de armas a laser de alta energia “para defender os céus de Israel e, no futuro, os de outros parceiros de segurança”. 

Por outro lado, reafirma-se o desejo conjunto de continuar discutindo os desafios e oportunidades para avançar nas relações com a Palestina , para que tanto israelenses quanto palestinos possam “desfrutar de medidas iguais de segurança, liberdade e prosperidade”. Ao mesmo tempo, destaca a importância de aprofundar os laços de Israel com seus parceiros regionais e conseguir sua integração na área, a fim de “ampliar o círculo de paz para incluir cada vez mais estados árabes e muçulmanos”.

Por fim, a declaração destaca a ampla cooperação que existe entre os EUA e Israel não apenas no campo da segurança, mas também para enfrentar desafios globais prementes , como “mudanças climáticas, segurança alimentar e saúde”. Nesses aspectos, já estão em andamento trabalhos para levar a cooperação “a um novo patamar” com a criação de uma associação tecnológica em áreas críticas emergentes de preocupação global, conclui o texto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.