Finlândia e Suécia podem se juntar à OTAN em junho

Compartilhe

A Finlândia e a Suécia podem estar prontas para se juntar à Otan neste verão, informou o The Times , citando autoridades dos EUA que chamaram a decisão de Moscou de lançar sua operação militar na Ucrânia um “enorme erro estratégico”.

De acordo com o artigo, as fontes afirmaram que a adesão do bloco militar por ambos os países foi  “um tema de conversa e múltiplas sessões” durante as reuniões entre os chanceleres da Aliança que ocorreram na semana passada, e que contaram com a presença de representantes de Estocolmo e Helsinque.

Espera-se que a Finlândia se candidate à adesão à OTAN em junho, seguida pela Suécia. Caso as uniões fossem realizadas, a Aliança seria formada por 32 nações. 

Em 1990, o então secretário de Estado dos EUA, James Baker, prometeu ao líder soviético Mikhail Gorbachev que a OTAN  não se  moveria “um centímetro para leste” se a Alemanha se reunificasse, mas a coalizão atlanticista fez exatamente o oposto. Desde então, o bloco  incorporou 14 países : República Tcheca, Hungria, Polônia, Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Albânia, Croácia, Montenegro e Macedônia do Norte.

“apoio popular”

O presidente finlandês, Sauli Niinisto, disse no início deste mês que o amplo apoio público à adesão de seu país à Otan pode abrir caminho para que ele se junte ao bloco militar sem um referendo.

“A Otan precisa saber que há apoio popular. Já temos isso, na minha opinião”, declarou o presidente finlandês, sugerindo que, dadas as pesquisas de opinião, o país não precisaria de um referendo para aderir ao bloco se receber o apoio de a grande maioria no Parlamento.

De sua parte, a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin  , disse que  as ações de Moscou forçaram Helsinque a reexaminar sua política de segurança e que qualquer decisão de se tornar membro da Otan teria que ser tomada “de forma completa, mas rápida”, essencialmente nesta primavera .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.