Guerra na Ucrânia deve acabar para evitar ‘abismo’ nuclear, alerta Lukashenko

Compartilhe

O líder bielorrusso pede um acordo sobre o fim do conflito, mas diz que qualquer acordo de paz depende inteiramente de Kiev.

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse que Moscou, Kiev e seus aliados ocidentais devem concordar em interromper a guerra na Ucrânia para evitar o “abismo da guerra nuclear”.

“Devemos parar, chegar a um acordo, acabar com essa confusão, operação e guerra na Ucrânia”, disse Lukashenko, um aliado próximo do presidente russo Vladimir Putin, à agência de notícias AFP na quinta-feira na capital bielorrussa, Minsk.

“Vamos parar e então vamos descobrir como continuar vivendo… Não há necessidade de ir mais longe. Além disso, está o abismo da guerra nuclear. Não há necessidade de ir até lá.”

Autoridades russas disseram que Moscou só autorizaria o uso de armas nucleares no caso de ser confrontada com uma “ameaça existencial” .

Mas surgiram preocupações sobre seu possível uso na Ucrânia no início da guerra, depois que Putin colocou as forças de dissuasão nuclear da Rússia em alerta máximo em 27 de fevereiro – três dias após ordenar a invasão.

Lukashenko diz que Ocidente ‘fomentou’ guerra

Lukashenko, de 67 anos, atribuiu a culpa pela guerra ao Ocidente, acusando-o de buscar um conflito com a Rússia e provocar o derramamento de sangue em curso.

“Vocês fomentaram a guerra e estão continuando”, disse Lukashenko à AFP, dizendo que o resultado poderia ter sido evitado se Moscou tivesse recebido as “garantias de segurança” que pediu aos países ocidentais.

“Se a Rússia não tivesse chegado à frente de vocês, membros da Otan, vocês teriam se organizado e dado um golpe contra ela”, acrescentou, ecoando afirmações infundadas feitas por Putin sobre a aliança de segurança transatlântica liderada pelos Estados Unidos.

A Bielorrússia, que faz fronteira com a Ucrânia, serviu de palco para a invasão da Rússia.

Moscou deslocou milhares de forças para o território bielorrusso sob o pretexto de exercícios militares antes de lançar sua ofensiva e, em seguida, canalizou tropas para a Ucrânia quando lançou seu ataque em 24 de fevereiro.

‘Tudo depende da Ucrânia’

Lukashenko, que governa a Bielorrússia há quase 30 anos, também insistiu que o governo da Ucrânia pode encerrar o conflito se as autoridades reiniciarem as negociações de paz paralisadas com Moscou e aceitarem suas exigências.

Lukashenko exortou as autoridades ucranianas a “se sentarem à mesa de negociações e concordarem que nunca ameaçarão a Rússia”.

Conversas cara a cara entre negociadores russos e ucranianos realizadas na Turquia no final de março não produziram nenhum avanço no fim da guerra. As discussões entre Moscou e Kyiv praticamente pararam logo depois.

Na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que não fazia sentido retomar as discussões por enquanto e acusou Kyiv de não ter “desejo de discutir nada a sério”. Ele também anunciou que Moscou havia ampliado seus objetivos de guerra além da região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Em um aparente aceno a essas observações, Lukashenko disse que a Ucrânia agora deve aceitar a perda de regiões ocupadas pela Rússia no leste e sul da Ucrânia como parte de qualquer acordo para acabar com o conflito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.