Hong Kong abaterá 2.000 animais após hamsters contraírem COVID

Compartilhe

As autoridades de Hong Kong disseram que matarão cerca de 2.000 pequenos animais, incluindo hamsters, depois que vários deram positivo para o coronavírus em uma loja de animais onde um funcionário também foi infectado.

A cidade também interromperá a venda de hamsters e a importação de pequenos mamíferos, segundo funcionários do Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação. O funcionário da loja de animais testou positivo para a variante Delta na segunda-feira, e vários hamsters importados da Holanda na loja também deram positivo.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, os animais não parecem desempenhar um papel significativo na disseminação do coronavírus. Mas as autoridades de Hong Kong disseram que não estão descartando a transmissão entre animais e humanos.

“Não podemos excluir a possibilidade de que o lojista tenha sido de fato infectado pelos hamsters”, disse Edwin Tsui, controlador do Centro de Proteção à Saúde na terça-feira.

“Se você possui um hamster, deve mantê-los em casa, não os retire”, disse o diretor do departamento, Leung Siu-fai, em entrevista coletiva.

“Todos os donos de animais de estimação devem observar uma boa higiene pessoal e, depois de entrar em contato com animais e seus alimentos, devem lavar as mãos.”

“Não beije seus animais de estimação”, acrescentou.

Como medida de precaução, os clientes que compraram hamsters na loja após 7 de janeiro serão rastreados e estarão sujeitos a quarentena obrigatória e devem entregar seus hamsters às autoridades para serem sacrificados, disseram autoridades.

Eles disseram que todas as lojas de animais em Hong Kong devem parar de vender hamsters e que cerca de 2.000 pequenos mamíferos, incluindo hamsters e chinchilas, serão mortos de maneira humana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.