Irã ameaça ‘destruir’ as cidades de Tel Aviv e Haifa se for atacado por Israel

Compartilhe

A ameaça surge quando Bennett elogia os sucessos de Israel contra a República Islâmica no ano passado e em meio a temores de que Teerã tente retaliar os recentes assassinatos de alto nível

O Irã ameaçou na terça-feira “destruir” as cidades de Tel Aviv e Haifa.

“Por qualquer erro cometido pelo inimigo, vamos arrasar Tel Aviv e Haifa por ordem do Líder Supremo”, disse o comandante das forças terrestres da República Islâmica, Kiumars Heydari, à agência de notícias semi-oficial iraniana Tasnim.

A ameaça veio menos de um dia depois que um relatório na segunda-feira disse que as forças de segurança tailandesas frustraram várias tentativas recentes do Irã de prejudicar alvos ocidentais e israelenses no país do sudeste asiático – um destino turístico popular para israelenses.

O Irã tem tentado retaliar vários assassinatos de alto nível e mortes misteriosas na República Islâmica nos últimos meses, incluindo um coronel da Guarda Revolucionária Islâmica e um cientista de alto nível.

Embora as tentativas na Tailândia pareçam ter falhado, acredita-se que Teerã ainda esteja planejando ataques contra israelenses lá e em outros lugares. Mais notavelmente, Israel emitiu um raro aviso direto aos israelenses que viajam ou planejam viajar para a Turquia.

Também na terça-feira, o primeiro-ministro Naftali  Bennett observou sucessos “estratégicos” na frente iraniana durante seu mandato de um ano como primeiro-ministro.

“O ano passado marcou um ponto de virada na estratégia de Israel contra o Irã. Vemos o bravo povo iraniano sair às ruas e protestar contra a opressão e a tirania do regime, contra a fome, contra a corrupção que os está prejudicando. Nós intensificamos”, disse ele durante uma reunião do Comitê de Relações Exteriores e Defesa do Knesset.

“O Estado de Israel começou recentemente a operar contra a cabeça do polvo do terrorismo e não apenas contra suas muitas armas, como foi feito nas últimas décadas. Os dias de imunidade, em que o Irã repetidamente prejudica Israel e promove o terrorismo por meio de seus representantes na região, permanecendo ileso, acabou”, disse Bennett. “Estamos operando o tempo todo e em todos os lugares e continuaremos a fazê-lo.”

Ao abordar o programa nuclear do Irã, Bennett disse que Teerã “cruzou uma série de linhas vermelhas nos últimos anos”, observando seu enriquecimento de 60% de urânio, um marco alcançado em abril do ano passado. “Israel não pode aceitar e não aceitará tal situação”, disse Bennett.

Ele acrescentou que em sua reunião com o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica Rafael Grossi na sexta-feira e esclareceu a posição de Israel sobre esta questão.

“Mantemos nossa liberdade de ação contra o programa nuclear do Irã o quanto for necessário – com ou sem acordo. Nós não apenas dizemos, nós implementamos”, disse o primeiro-ministro.

A visita de Grossi ocorreu quando Israel expressou crescente preocupação com as atividades atômicas do Irã e um possível retorno ao acordo nuclear de 2015 entre Teerã e potências mundiais. Enquanto isso, as negociações entre Teerã e potências ocidentais em Viena estão paralisadas desde meados de março.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.