Itália tem protestos violentos contra novas medidas do Coronavírus

Compartilhe

Protestos contra novas restrições ao coronavírus estouraram em toda a Itália, com relatos de violência em Turim e Milão, no norte do país.

Na noite de segunda-feira, alguns manifestantes em Turim escaparam de uma manifestação pacífica, quebrando vitrines, saqueando lojas de luxo e entrando em confronto com a polícia, que em troca disparou gás lacrimogêneo.

Centenas de manifestantes se reuniram em Milão – capital da região da Lombardia e epicentro da pandemia global de março, na sede do governo regional, com alguns arremessos de pedras, bombas de gasolina e fogos de artifício.

Os manifestantes gritavam “Liberdade, liberdade!”, O mesmo slogan usado dois dias antes por manifestantes na cidade de Napoli, no sul.

Segundo a agência de notícias ANSA, 28 pessoas estão detidas em Milão; três policiais ficaram feridos em meio aos confrontos nas duas cidades.

Pelo menos 37.479 pessoas morreram com coronavírus na Itália desde o início da pandemia.

As pessoas foram às ruas depois que o primeiro-ministro Giuseppe Conte impôs, na segunda-feira, uma nova rodada de regras que visam conter a disseminação do coronavírus. Ele anunciou o fechamento antecipado de restaurantes e pubs às 18h (17h GMT) e o fechamento de teatros, academias e cinemas.

A maioria das escolas secundárias foi obrigada a dar aulas online e várias regiões impuseram toque de recolher noturno.

As restrições duras, mas ainda parciais, surgiram no momento em que o governo se esforça para evitar um bloqueio nacional, como as medidas aplicadas em março.

Enquanto os italianos passaram por um dos bloqueios mais rígidos do mundo na primeira onda com um senso de solidariedade e conformidade, as novas medidas provocaram uma resposta irada.

Os donos de empresas, ainda se recuperando do primeiro fechamento, estão exasperados em meio ao temor de que o fechamento de lojas novamente os leve à falência.

Motoristas de táxi, donos de restaurantes, donos de bares e pessoas que trabalham em indústrias culturais protestaram pacificamente em várias cidades de norte a sul, incluindo Viareggio, Trieste, Roma, Nápoles, Salerno, Palermo, Siracusa e Catania.

Tentando acalmar a raiva, Conte se reuniu com os manifestantes em Roma na noite de segunda-feira para assegurar-lhes que fundos estavam a caminho para proprietários de negócios.

O governo prometeu ajuda financeira aos trabalhadores e empresas afetadas pelos fechamentos obrigatórios, e medidas de socorro devem ser aprovadas em uma reunião de gabinete na terça-feira.

“O objetivo principal é recuperar o controle da curva epidemiológica para evitar que seu aumento constante possa comprometer a eficácia do nosso setor de saúde, bem como a resiliência do sistema social e econômico como um todo”, disse Conte em carta aberta publicada na terça-feira, pelo jornal Corriere della Sera.

A Itália está testemunhando um ressurgimento das infecções por coronavírus, relatando no domingo o maior número desde o início da pandemia, com mais de 21.200 casos – o dobro em comparação com a semana anterior. Até terça-feira, 14.281 pessoas haviam sido hospitalizadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.