Míssil balístico russo de curto alcance atingiu a estação de trem de Kramatorsk, avaliam EUA

Compartilhe

A avaliação inicial dos EUA é que o míssil que atingiu a estação de trem de Kramatorsk  foi um míssil balístico de curto alcance disparado de uma posição russa dentro da Ucrânia, disse uma autoridade de defesa dos EUA na sexta-feira.

É a “expectativa total” dos EUA que o ataque à estação de trem de Kramatorsk, na Ucrânia, tenha sido um ataque russo com um míssil balístico SS-21 de curto alcance, de acordo com outro alto funcionário da defesa dos EUA.

O funcionário disse que, embora os EUA não tenham “visibilidade perfeita do processo de alvo russo”, a estação de trem é um importante centro ferroviário localizado “no limite da linha de contato entre as forças russas e ucranianas na área de Donbass”.

Mais cedo na sexta-feira, a Ucrânia acusou as forças russas de usar munições de fragmentação indiscriminadamente no ataque de sexta-feira que deixou pelo menos 50 pessoas mortas.

Pavlo Kyrylenko, chefe da administração militar da região de Donetsk, disse que um míssil russo Tochka-U, repleto de pequenas bombas, atingiu civis que estavam evacuando a área. 

As forças russas foram acusadas de usar regularmente munições de fragmentação contra alvos civis na Ucrânia. Na semana passada, a Missão de Monitoramento de Direitos Humanos da ONU na Ucrânia disse que recebeu alegações críveis de que as forças armadas russas usaram munições de fragmentação em áreas povoadas pelo menos 24 vezes.

Tais ataques “podem ser crimes de guerra”, disse a chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra. 

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) também confirmou o uso de munições cluster pela Rússia, incluindo pelo menos três instâncias na cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, em 7, 11 e 13 de março de 2022. 

As munições cluster representam uma ameaça distinta para os civis, espalhando aleatoriamente submunições ou bombas em uma ampla área. Bombas que não explodem com o impacto muitas vezes se tornam minas terrestres de fato, estendendo o dano pós-conflito. 

Em 2008, mais de 100 países nas Nações Unidas assinaram a proibição de munições cluster, de acordo com o site da ONU. Ucrânia e Rússia não assinaram o acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.