Mundo corre risco de enfrentar a ‘pior fome desde a Segunda Guerra Mundial’

Compartilhe

O mundo está prestes a enfrentar uma crise alimentar aguda devido à disparada dos preços dos alimentos, disse a ministra alemã de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Svenja Schulze, ao jornal Bild neste sábado, alertando sobre uma fome iminente não vista desde a Segunda Guerra Mundial. O ministro nomeou a pandemia de Covid-19 e a guerra militar em andamento da Rússia na Ucrânia como suas causas.

“A situação é muito dramática”, disse o ministro ao tablóide alemão em uma entrevista no final do sábado, acrescentando que, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos da ONU, “mais de 300 milhões de pessoas” já sofrem de fome aguda e a ONU precisa “ revise constantemente” esses dados para cima.

Os preços dos alimentos em todo o mundo cresceram um terço e atingiram “níveis recordes” , alertou Schulze, acrescentando que a “mensagem amarga é que estamos enfrentando a pior fome desde a Segunda Guerra Mundial”, que pode ver “milhões” morrer

Em sua declaração de 6 de maio , o Programa Mundial de Alimentos alertou que “44 milhões de pessoas em todo o mundo estão marchando para a fome” porque os grãos ucranianos não podem alcançá-los, e pediu que os portos do Mar Negro sejam abertos para que esses grãos possam ser entregues aos o necessitado.

O ministro Schulze foi rápido em culpar Moscou pelo desenvolvimento, acusando o presidente russo, Vladimir Putin, de “travar uma guerra pela fome”. Ela alegou que a Rússia havia “roubado grãos da Ucrânia” e agora está se aproveitando de nações que dependem de produtos agrícolas russos e ucranianos, supostamente oferecendo comida apenas para aqueles que são “inequivocamente pró-russos”.

O ministro também afirmou que o fato de 40 nações que são “lar de metade da população mundial” não condenarem as ações da Rússia na Ucrânia foi supostamente resultado de sua “vulnerabilidade à chantagem alimentar”. Ela não ofereceu nenhuma evidência específica para apoiar esta afirmação, no entanto.

Ao mesmo tempo, ela admitiu que o foco de algumas nações na energia verde também contribuiu para a escassez de alimentos. A Alemanha, em particular, deveria parar de usar alimentos como combustível, sugeriu ela. Até 4% do chamado biocombustível na Alemanha é feito de alimentos e ração animal, disse ela, acrescentando que “precisa ser reduzido a zero, e não apenas na Alemanha, mas potencialmente internacionalmente”.

A Alemanha “despeja 2,7 bilhões de litros de combustível [feito] de óleos vegetais em tanques de carros todos os anos” , apontou ela, acrescentando que isso por si só equivale a “quase metade da produção de óleo de girassol da Ucrânia”.

A guerra em curso na Ucrânia provocou temores de escassez global de grãos, já que os preços do trigo dispararam para máximas de vários anos em março. Tanto a Rússia quanto a Ucrânia são grandes fornecedores de trigo, respondendo por cerca de 30% das exportações globais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.