OMS aconselha homens que fazem relações sexuais com homens diminuírem contato, após aumento da variola dos macacos

Compartilhe

O chefe da Organização Mundial da Saúde sugeriu que homens que fazem sexo com homens limitem temporariamente seu número de parceiros sexuais enquanto os casos de varíola aumentam em sua comunidade – uma mudança nas mensagens da agência global de saúde dias depois de aumentar seu nível de alerta de ameaça para o surto de varicela.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, fez os comentários na quarta-feira durante uma coletiva de imprensa na qual disse que 98% dos casos de varíola foram relatados em homens que fazem sexo com homens.

Tedros disse que “este é um surto que pode ser interrompido”, desde que os governos tomem as medidas apropriadas e os indivíduos se mantenham informados e se protejam do vírus.

“Para homens que fazem sexo com homens, isso inclui, no momento, reduzir o número de parceiros sexuais, reconsiderar o sexo com novos parceiros e trocar detalhes de contato com novos parceiros para permitir o acompanhamento, se necessário”, disse Tedros.

Desde que o surto de varíola foi relatado pela primeira vez pela OMS em maio, as autoridades de saúde pública procuraram equilibrar a necessidade de alcançar a comunidade que sofre a maior parte da transmissão – homens que fazem sexo com homens, incluindo homens gays e bissexuais – e o desejo de não estigmatizar membros dessa comunidade ou dar a impressão de que a varíola afeta exclusivamente homens que fazem sexo com homens.

“Qualquer pessoa exposta pode pegar varíola”, disse Tedros na quarta-feira, ao pedir aos países que “reduzam o risco de transmissão a outros grupos vulneráveis”, incluindo crianças, grávidas e pessoas com sistema imunológico fraco.

“Para homens que fazem sexo com homens, isso inclui, no momento, reduzir o número de parceiros sexuais, reconsiderar o sexo com novos parceiros e trocar detalhes de contato com novos parceiros para permitir o acompanhamento, se necessário”, disse Tedros.

Desde que o surto de varíola foi relatado pela primeira vez pela OMS em maio, as autoridades de saúde pública procuraram equilibrar a necessidade de alcançar a comunidade que sofre a maior parte da transmissão – homens que fazem sexo com homens, incluindo homens gays e bissexuais – e o desejo de não estigmatizar membros dessa comunidade ou dar a impressão de que a varíola afeta exclusivamente homens que fazem sexo com homens.

“Qualquer pessoa exposta pode pegar varíola”, disse Tedros na quarta-feira, ao pedir aos países que “reduzam o risco de transmissão a outros grupos vulneráveis”, incluindo crianças, grávidas e pessoas com sistema imunológico fraco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.