OTAN diz pela primeira vez que deve incluir a ‘crescente influência’ da China em sua estratégia de defesa

Compartilhe

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse na quinta-feira que pela primeira vez a aliança de 30 membros considerará a China em sua estratégia de defesa em meio à recusa de Pequim em condenar a guerra da Rússia na Ucrânia . 

“Vimos que a China não está disposta a condenar a agressão da Rússia. E Pequim juntou-se a Moscou para questionar o direito das nações de escolherem seu próprio caminho”, disse Stoltenberg a repórteres da sede da Otan em Bruxelas.

“Pela primeira vez, também deve levar em conta como a crescente influência da China e as políticas coercitivas afetam nossa segurança”, acrescentou.

Stoltenberg disse que a aliança de 30 membros anunciará seu novo “conceito estratégico” após a cúpula de Madri em junho. 

Para saber mais sobre esta história: A OTAN diz pela primeira vez que deve incluir a ‘crescente influência’ da China em sua estratégia de defesa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.