Palestinos vandalizam, incendeiam o Túmulo de José enquanto as tensões aumentam na Cisjordânia; veja vídeo

Compartilhe

Bennett promete que os desordeiros responsáveis ​​por ‘violar um lugar sagrado’ serão pegos; Gantz diz que santuário, perto de Nablus, na Cisjordânia, será reparado rapidamente

O primeiro-ministro Naftali Bennett se juntou à condenação no domingo do incêndio criminoso e do vandalismo da tumba de Joseph, perto da cidade de Nablus, na Cisjordânia, dizendo estar chocado com as imagens dos danos ao santuário.

“Durante a noite, os palestinos destruíram a Tumba de José. Dezenas de manifestantes palestinos em uma campanha de destruição simplesmente violaram um lugar sagrado para nós, os judeus”, disse Bennett no início da reunião do gabinete.

“Eles quebraram a lápide do túmulo, incendiaram quartos do complexo – eu vi as fotos e fiquei chocado”, disse ele.

Joseph’s Tomb, danificada por desordeiros, 10 de abril de 2022 (Divulgação)

“Não vamos tolerar tal ataque a um lugar que é sagrado para nós – na véspera da Páscoa – e vamos chegar aos desordeiros”, disse ele. “E é claro que nos certificaremos de reconstruir o que eles destruíram, como sempre fazemos.”

Cerca de 100 palestinos invadiram o local durante a noite, revoltaram-se e atearam fogo, antes de serem dispersos pelas forças de segurança palestinas e esmagarem objetos dentro, disse o porta-voz das Forças de Defesa de Israel Brig. disse o general Ran Kochav.

Imagens nas redes sociais mostraram partes da tumba dentro do santuário esmagadas e carbonizadas.

Os tumultos ocorreram em meio a confrontos entre homens armados palestinos e soldados da IDF no campo de refugiados de Balata, nas proximidades, na área de Jenin.

A IDF confirmou que forças especiais – incluindo tropas da unidade naval de elite Shayetet 13 – realizaram buscas por armas na área e prenderam oito palestinos suspeitos de atividade terrorista.

Imagens mostraram dezenas de palestinos entrando no local e esmagando objetos dentro. A tumba é venerada por judeus, cristãos e muçulmanos, e muitas vezes tem sido um foco de violência.

Alguns judeus acreditam que o José bíblico está enterrado na tumba, enquanto os muçulmanos dizem que um xeque está enterrado lá. O exército escolta fiéis judeus ao local várias vezes por ano, em coordenação com as forças de segurança palestinas.

Mais cedo, o ministro da Defesa, Benny Gantz, disse que o vandalismo foi um “evento grave” e disse que enviou uma “forte mensagem” à Autoridade Palestina sobre o ataque ao santuário.

“O vandalismo do Túmulo de José é um evento grave e uma grave violação da liberdade de culto em um dos lugares mais sagrados para todo judeu. Isso viola os sentimentos de toda a nação judaica, especialmente quando ocorre durante o mês sagrado muçulmano”, disse Gantz em um comunicado, que ele divulgou em hebraico, árabe e inglês.

A Tumba de Joseph está localizada dentro da Área A da Cisjordânia, que está oficialmente sob controle total da Autoridade Palestina, embora os militares israelenses realizem atividades lá. A IDF impede que cidadãos israelenses entrem na Área A sem autorização prévia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.