Papa Francisco diz que vai desacelerar ou renunciar: ‘Você pode mudar um papa’

Compartilhe

O papa Francisco admitiu que precisa desacelerar, dizendo a repórteres após uma viagem de seis dias ao Canadá que não pode manter seu ritmo de viagens internacionais e pode ter que pensar em se aposentar.

“Acho que não consigo andar no mesmo ritmo que costumava viajar”, disse o papa de 85 anos, que sofre de dores no joelho que o tornaram cada vez mais dependente de uma cadeira de rodas.

“Acho que na minha idade e com essa limitação, tenho que me poupar um pouco para poder servir à igreja. Ou, alternativamente, pensar na possibilidade de me afastar.”

Não é a primeira vez que Francisco levanta a possibilidade de seguir o exemplo de seu antecessor, Bento XVI, que se demitiu por causa de sua própria saúde em 2013, e agora vive tranquilamente na Cidade do Vaticano.

Em 2014, um ano depois de seu papado, Francisco disse a repórteres que, se sua saúde atrapalhasse suas funções como papa, ele consideraria deixar o cargo.

Em maio, conforme relatado na mídia italiana, Francisco brincou sobre o joelho durante uma reunião a portas fechadas com os bispos, dizendo: “Ao invés de operar, vou renunciar”.

“A porta está aberta, é uma das opções normais, mas até agora não bati nesta porta”, disse ele hoje.

“Mas isso não significa que depois de amanhã eu não comece a pensar, certo? Mas agora eu honestamente não começo.

“Também esta viagem foi um pouco o teste. É verdade que não se pode fazer viagens neste estado.

“Talvez você tenha que mudar um pouco o estilo, diminuir, pagar as dívidas das viagens que ainda tem que fazer, reorganizar.

“Mas o Senhor dirá. A porta está aberta, isso é verdade.”

Os comentários vêm após intensa especulação sobre o futuro de Francisco, depois que ele foi forçado a cancelar uma série de eventos devido à dor no joelho, incluindo uma viagem à África planejada para o início deste mês.

A conversa também foi alimentada por sua decisão de convocar um consistório extraordinário para 27 de agosto, um lento mês de verão no Vaticano, para criar 21 novos cardeais, 16 dos quais terão menos de 80 anos, elegíveis para eleger seu sucessor em um futuro conclave.

A decisão de Bento XVI de sair causou ondas de choque na Igreja Católica. Ele foi o primeiro papa a renunciar desde a Idade Média, mas o precedente já foi estabelecido.

“Com toda a honestidade, não é uma catástrofe, é possível mudar de papa, é possível mudar, sem problemas. Mas acho que tenho que me limitar um pouco com esses esforços”, disse Francisco hoje.

Ele usou principalmente uma cadeira de rodas durante sua viagem ao Canadá, onde pediu desculpas históricas por décadas de abuso de crianças indígenas em escolas residenciais administradas pela Igreja Católica.

Mas ele se levantou em seu “papamóvel” para cumprimentar as multidões.

Francis disse que a cirurgia no joelho não era uma opção, acrescentando que ainda estava sentindo os efeitos das seis horas passadas sob anestesia no verão passado, quando foi submetido a uma operação no cólon.

“Você não joga, você não brinca, com anestesia”, disse ele.

Mas acrescentou: “Vou tentar continuar a fazer viagens e estar perto das pessoas, porque acho que é uma forma de serviço, de proximidade”.

Francisco ainda espera reagendar sua viagem adiada ao Sudão do Sul e à República Democrática do Congo.

“Mas será no ano que vem, por causa da estação chuvosa – vamos ver: tenho toda a boa vontade, mas vamos ver o que a perna diz”, brincou.

O pontífice argentino repetiu que gostaria de visitar a Ucrânia devastada pela guerra, mas não deu detalhes sobre o estado de seus planos.

Ele tem outra viagem ao exterior planejada para um congresso religioso no Cazaquistão em setembro.

“No momento, gostaria de ir: é uma viagem tranquila, sem tanto movimento”, disse o papa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.