Pentágono nega ter ajudado Ucrânia a afundar grande navio de guerra russo Moskva

Compartilhe

O Pentágono dos Estados Unidos negou relatos de que ajudou a Ucrânia a afundar o cruzador de mísseis russo Moskva no mês passado, em um grande constrangimento para os militares russos.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse em um comunicado na sexta-feira que os EUA “não forneceram à Ucrânia informações específicas sobre alvos da Moskva”.

“Não estivemos envolvidos na decisão dos ucranianos de atacar o navio ou na operação que eles realizaram”, disse ele. “Não tínhamos conhecimento prévio da intenção da Ucrânia de atacar o navio.”

Uma autoridade americana disse na quinta-feira que a Ucrânia sozinha decidiu atacar e afundar o navio-almirante da Frota do Mar Negro da Rússia usando seus próprios mísseis antinavio.

Mas devido aos ataques da Rússia à costa ucraniana a partir do mar, os EUA forneceram “uma gama de informações” que inclui a localização desses navios, disse o funcionário, que falou sob condição de anonimato à Associated Press.

A NBC News informou na quinta-feira que a inteligência americana ajudou no naufrágio do navio. Um dia antes, o New York Times informou   que a inteligência dos EUA sobre os movimentos de tropas russas permitiu que a Ucrânia “alvejasse e matasse” generais russos.

Kirby disse a repórteres na quinta-feira que as agências americanas “não fornecem inteligência sobre a localização de líderes militares de alto escalão no campo de batalha ou participam das decisões de direcionamento dos militares ucranianos”.

“A Ucrânia combina informações que nós e outros parceiros fornecemos com as informações que eles mesmos estão coletando e, em seguida, tomam suas próprias decisões e tomam suas próprias ações”, disse Kirby.

A Casa Branca está sob pressão dos republicanos para fazer mais para apoiar a resistência da Ucrânia, e pesquisas recentes sugerem que alguns americanos questionam se o presidente Joe Biden está sendo duro o suficiente com a Rússia.

Desde que o presidente russo, Vladimir Putin , ordenou a invasão da Ucrânia em fevereiro, a Casa Branca tentou equilibrar o apoio à Ucrânia, uma aliada democrática, contra não fazer nada que pareça provocar uma guerra direta entre Putin e os EUA e aliados da Otan .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.