Pequim exige vacinação contra Covid-19 para locais públicos em meio a novas restrições de milhões na China

Compartilhe

 A capital da China, Pequim, introduzirá um mandato de vacina para certos locais públicos a partir de 11 de julho, o primeiro no país, já que milhões na China enfrentam novas restrições e o país enfrenta novos focos de Covid-19, incluindo um surto relacionado ao salão de karaokê em Xangai e um espalhando na cidade turística de Xian.

A comissão de saúde de Pequim anunciou na quarta-feira que, a partir da próxima segunda-feira, qualquer pessoa que entrar em locais públicos como bibliotecas, museus, cinemas, galerias de arte, locais de esportes e fitness, locais de entretenimento ou quaisquer locais lotados da capital “deve ser vacinado”. Restaurantes e transportes públicos estão isentos.

Os idosos também terão que mostrar prova de vacinação para entrar em instalações comunitárias, como salas de jogos, disse Li Ang, vice-diretor da Comissão Municipal de Saúde de Pequim, na quarta-feira.

Quem tem problemas de saúde e não pode ser vacinado está isento do mandato.

Variante Omicron BA5

O requisito obrigatório foi anunciado quando a China começa a lutar contra a variante altamente transmissível Omicron BA5, descoberta em Pequim e Xian.

O novo requisito é um acréscimo ao existente para os residentes de Pequim – eles precisam fazer o teste a cada três dias e mostrar um resultado negativo para entrar na maioria dos locais públicos.

O mandato de vacinação compulsória é uma grande mudança na política, pois até recentemente as autoridades, bem como a mídia controlada pelo Estado, diziam que as restrições não seriam impostas àqueles que decidirem não se vacinar.

Uma razão para a mudança pode ser a rápida disseminação dos surtos liderados pela Omicron.

Casos causados ​​pela subvariante BA5 da Omicron foram descobertos em Pequim – três casos – e na província de Shaanxi, noroeste da China, levando a medidas anti-pandemia reforçadas, informou a mídia estatal na noite de quarta-feira.

Política Zero Covid

O novo mandato de vacina em Pequim e novos surtos colocaram sob novos holofotes e pressão a política de zero Covid da China, que levou a bloqueios caros, mais recentemente na cidade mais populosa do país, Xangai.

A parte continental da China registrou 112 casos de Covid-19 transmitidos localmente, 81 dos quais na província de Anhui, leste da China, informou a Comissão Nacional de Saúde (NHC) na quarta-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.